Companhia de Dança R.E.C. estreia BÔ

bo cia rec 2

Bô, que significa Você ou Tu em crioulo cabo verdiano – o terceiro trabalho da Companhia de dança R.E.C. – é uma criação sobre incorporações velozes, estados fugazes e fragmentos da memória. A pesquisa que deu origem ao espetáculo apresenta novos rumos da improvisação na dança.

A partir da construção de estados, os intérpretes promovem criações instantâneas de movimentos e encontros inusitados. O trabalho, além disso, encontra inspiração em fenômenos do universo como órbitas, magnetismo, forças de atração e repulsa entre corpos, gravidade.

Na relação entre as experiências de movimento mais inconscientes e certos padrões do universo, Bô cria uma teia aparentemente caótica, mas de ligações consistentes. O trabalho apresenta uma dança intensa, carregada de humor e delicadeza.

A coreógrafa Alice Ripoll explica que outra influência para a construção da coreografia foi o universo construído pelo cineasta Tarkovski no filme “Solaris”, de 1972. “Neste filme são traçados paralelos entre estados de consciência, realidade dos fenômenos psíquicos como a memória, e um planeta desconhecido”. Padrões de movimentos dos astros, como as órbitas, inspiraram o grupo a visitar um ambiente ritualístico e a ancestralidade africana, de onde aparecem influências da capoeira na movimentação, e das batucadeiras de Cabo Verde na música do trabalho.

A improvisação remete a um retorno às origens do grupo, como explica a coreógrafa Alice Ripoll. “O trabalho com estados de improviso também é uma retomada as origens do grupo, pois a primeira linguagem de movimento dos bailarinos foi o hip hop, onde tem muito improviso na dança e na música”, conta. O resultado é um espetáculo forte, denso e profundo em que o público poderá conferir a partir do 9 de maio.

Nos trabalhos anteriores – Cornaca e Katana – o grupo se aprofundou em uma linguagem baseada em contato, com coreografias que exploram duos, trios ou os cinco bailarinos. Foram exploradas imagens que surgem do encontro dos corpos, encaixes, aproximações, refletindo diferentes maneiras de se relacionar. No novo espetáculo, criações instantâneas provocam encontros na velocidade de partículas mas com a força de corpos.

Companhia de dança R.E.C. fica em cartaz na Arena Carioca Dicró, até o dia 17 de maio de 2015. Em seguida BÔ segue para o Teatro Angel Vianna no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro, na Tijuca, em apresentações nos dias 22, 23 e 24 de maio – sexta a domingo. Nos dias 19, 20, 26 e 27 de Junho o espetáculo segue para o Teatro Eva Herz na Livraria Cultura, no Centro/RJ

Bô faz parte do projeto Cia REC – Manutenção 2015 e possuiu patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura.

FICHA TÉCNICA

Direção: Alice Ripoll
Criação e interpretação: Alan Ferreira, Alex Tavares, Leandro Coala, Liuz LA e Rômulo Galvão
Assistência de Direção e Operação de Som: Anita Tandeta
Iluminação: José Geraldo
Figurino: Raquel Theo
Direção de Produção: Rafael Fernandes | Trio Carioca Produções
Coordenação de Produção: Mônica Bittencourt e Roberta Pisco | Trio Carioca Produções
Produção: Jessica Nakazima
Programação Visual: Daniel Kucera
Fotografias: Renato Mangolin
Vídeos: Luiz Guilherme Guerreiro
Produtor Gráfico: Sidnei Balbino
Operadora de Luz: Tabatta Martins
Cenotécnico: Marcus Callegario
Assistente de Comunicação: Lívia Bittencourt
Assessoria de Imprensa: A Dois Comunicação | Anna Accioly
Desenhos: Leandro Coala e Liuz LA
Apoio: Rafael Machado Fisioterapia

Cia. R.E.C.

Reação em Cadeia – Criada em 2009, a Cia R.E.C. vem traçando sua trajetória no cenário da dança carioca e se consolida como um potente grupo de artistas da periferia que elaboram a recriam a arte contemporânea.

O grupo conta com a diretora Alice Ripoll e com cinco bailarinos, que se conheceram através de encontros de dança em uma ONG no Rio de Janeiro. Após a saída da ONG, o grupo se firmou como uma companhia independente com a criação do espetáculo Cornaca, que estreou no Festival Panorama, foi contemplado por editais de circulação da cidade e do estado do Rio de Janeiro (F.A.D.A e Circuito das Artes), e foi apresentado em São Paulo, no SESC Pompéia.

Criado em coprodução com o Festival Panorama 2012, o segundo trabalho do grupo, Katana, foi apresentado nos Teatros Gláucio Gill, Cacilda Becker, Angel Vianna e Galpão Gamboa, no Rio de Janeiro, em 2013. Em 2014, foi apresentado na Lona Cultural da Maré (RJ) e foi contemplado pelo Programa de Fomento à Cultura Carioca, da prefeitura do Rio de Janeiro, para circular pelas Arenas da cidade. Para 2015, o projeto de manutenção da Cia foi contemplado pelo II Programa Fomento à Cultura Carioca.

SERVIÇO


Cia. R.E.C.
Duração: 50 minutos
Classificação: 10 anos

Temporada: de 15 a 17 de maio de 2015
Sextas e sábados às 20h e domingos às 18h
Local: Arena Carioca Dicró
Rua Flora Lobo – Penha Circular – Rio de Janeiro/RJ
Ingresso: R$ 2,00

Temporada: de 22 a 24 de maio de 2015
Sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 18h
Local: Teatro Angel Vianna – Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro
Rua José Higino, 115 – Tijuca/RJ
Ingresso: R$ 2,00

Temporada: de 19 a 27 de junho de 2015
Loca: Teatro Eva Herz – Livraria Cultura
Rua Senador Dantas, 45 – Centro – Rio de Janeiro/RJ – CEP 20031-202
Ingresso: R$ 30,00