Tijuca recebe o evento Corpos Móveis – Performance de dança

Iniciativa do Núcleo de Pesquisa em Dança e Cultura Afro-Brasileira da UFRJ (NUDAFRO) Corpo Móveis é uma mostra plural de performances criadas por artistas cujas pesquisas se encontram em processo e envolvidas por experiências diversas que acionam de maneira peculiar tempos, espaços, materiais, pensamentos e acontecimentos. O evento acontece nos dias 10, 11 e 12 e 19 de setembro, no Teatro Municipal Ziembinski, no Rio de Janeiro, com ingressos a preços populares.

Programação

Transitório

Transitório é um solo de dança contemporânea que aborda o corpo na construção de uma identidade atravessada por movimentos em desconstrução.

Direção, concepção e interpretação: Henrique Bellas
Orientação de pesquisa: Tatiana Damasceno
Orientação de movimento: Aline Texeira
Tempo: 10 min

Transe

Concepção, Pesquisa de movimento e performer – Renata Borges
Pesquisadora Convidada – Tatiana Damasceno
Colaboração Artística – Raphael Arah
Figurino – Nilma Barbosa
Iluminação – Luciana Liege
Trilha Sonora – Bolero
Compositor – Maurice Ravel
Produção – Renata Borges e Raphael Arah
Tempo: 15 min
Apoio – Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro, NUDAFRO e PUC – Rio.

Instabilidade Urbana

Instabilidade Urbana visa desenvolver uma pesquisa cênica sobre a cultura presente nas danças urbanas, estruturada em meio ao caos social e urbano. O espetáculo traça um diálogo temporal sobre as mudanças e vivencias inseridas no movimento da cultura Hip Hop. No dia a dia, a instabilidade urbana escoava seus fluídos, gerando um comportamento caótico na sociedade daquela época. E, dessas turbulência, nasceu arte!

Direção: Luís Silva
Intérpretes Criadores: Daniel Bulhões, Emilly Guimarães, Jackeline Karen, Lenice Viegas e Luís Silva
Duração: 15 min

“O Outro”

É uma experiência artística em dança baseada no texto “O estádio do espelho de Jacques Lacan. O artista resgata momentos de sua infância e da relação com as pessoas em geral. Jefferson Nascimento é bailarino, coreógrafo e professor de dança. Realiza pesquisa em processos da criação em dança a partir do estudo das subjetividades.

Pesquisa, criação e interpretação: Jefferson Nascimento
Tempo: 15 min

Agô

Agô é um espetáculo que aborda questões que percorrem o cotidiano de atores sociais afrodescendentes relacionando-os com a linguagem da dança contemporânea por meio de uma investigação coreográfica que busca intensificar e diversificar as possibilidades desse encontro. Através de diálogos, tensões e contradições estabelecidas com os indivíduos no universo urbano, afrodescendentes experimentam na pele a perpetuação de traumas culturais. Licença porque precisamos falar! Falar sobre saberes e acontecimentos que norteiam as nossas vidas. Assim como o espetáculo InCORPO apresentado em 2017 e início de 2018, Agô também questiona na cena: Quando você olha o que você vê e o que você não vê? Dando continuidade as reflexões sobre: diversidade, respeito, memória, discriminação, corpo negro em suas tradições, modos de ser social e cultural.

Direção, roteiro e coreografia: Tatiana Damasceno
Pesquisadora convidada: Renata Borges
Pesquisa de movimento: Tatiana Damasceno e intérpretes criadores
Intérpretes criadores: Lucas Santos, Henrique Bellas, Elen Mesquita, Caio Almeida, Luís Silva, Emilly Guimarães, Shams e Tatiana Damasceno
Preparação corporal: Cia de dança
Tempo: 25 min

Crédito da foto: Divulgação | Cena de Instabilidade Urbana, com Corpos Móveis

Serviço

Corpos Móveis – Performance de dança
Dias 10, 11, 12 e 19 de outubro de 2018
Quarta, quinta e sexta, às 19h
Local: Teatro Municipal Ziembinski
R. Urbano Duarte, 30 – Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
(em frente a estação São Francisco Xavier do metrô)
Ingresso: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)
(à venda na bilheteria de quinta a domingo das 14h15 às 21h)
Classificação: livre
Duração: 70 min

Deixe uma resposta