FRIS SOM, de Bruna Piccazio, faz curta temporada na Funarte/SP

Fris Som é o um trabalho de fusão entre a dança e a música, onde a artista desenvolveu cenas a partir de suas criações, as vestimentas sonoras e instrumentos performáticos, além da investigação sobre interfaces, justaposições e tensões entre som e movimento. Além da dança percussiva com as indumentárias originais, existiu também a pesquisa de instrumentos performáticos populares já existentes, como gungas (das manifestações de Congado) e o tamancos de Arcoverde (típico do côco de Arcoverde e do fandango), experimentados numa pesquisa prática em que foram resignificados em cena.

Bruna Piccazio desenvolveu uma linguagem própria, técnicas corpóreo musicais, sonorocoreográficas, de danças musicais, danças percussivas contemporâneas ao longo de doze anos, unindo áreas diferentes em um só corpo. Este espetáculo foi apresentado pela primeira vez em 2011/2012, como síntese do estudo, na Casa do Lago da Unicamp. Desde então é afinado conforme as necessidades e a descoberta desse novo fazer artístico e foi apresentado em temporada na FUNARTE, em 2015, e no teatro Polytheama, em 2016.

Fris Som é um solo que une dança contemporânea, percussão popular e moda-arte, inspirada em manifestações populares brasileiras como catira paulista, côco, congado, cavalo marinho e maracatu. O espetáculo é dividido em cinco cenas que têm como fio condutor a história de uma velha senhora que relembra personagens de seu passado, trazidos à tona através de estímulos sonoros do cotidiano. Essa lembrança é tal qual a imagem que temos de nós mesmos em outros momentos da vida: fantasiosa, misteriosa, sinestésica e com outra perspectiva sobre o tempo.

Não houve apenas uma pesquisa de linguagem, mas também a expressão de inquietações poéticas de um corpo contemporâneo, numa releitura da riqueza das simbologias brasileiras, utilizadas aqui sem restrições criativas, mas como base para a invenção de novas mitologias, que agregam outros tipo de arte como vídeos em projeção e trilha sonora complementar estrangeira.

Bruna Piccazio é formada em dança pela Unicamp (bacharelado e licenciatura) e é percussionista. Iniciou seus estudos com a bailarina Letícia Doretto. Em 2015 foi premiada pela FUNARTE com o Projeto Inquietos, no qual idealizou, realizou curadoria e direção artística, que teve como objetivo despertar a reflexão sobre uma nova perspectiva de relação entre dança e música. Há doze anos realiza pesquisas nesta área, tendo sido contemplada com projetos como FAEPEX, PIBIC e PIBID na universidade, no contexto da criação e educação em danças brasileiras, percussão popular e dança contemporânea. Criou os espetáculos Fris Som e Imagem Sonora. Participou criativamente e como intérprete do espetáculo Lou Harrison: Percussão em Movimento e atualmente dirige a CODAPE, Cia Contemporânea de Dança Percussiva.

FICHA TÉCNICA

Orientação e Provocação: Letícia Doretto
Concepção de espetáculo, coreografia, interpretação e vestimentas sonoras originais: Bruna Piccazio
Operação de Luz: Victor Amaro
Operação de Som: Isadora Fornasier
Música Primogênito: Aline Reis
Música Sereia/domínio público: Voz: Fábio Barros e Bruna Piccazio
Música Semente Sete: Bruna Piccazio

SERVIÇO

Fris Som
Bruna Piccazio
De 30 de junho a 02 de julho de 2017
Sexta e sábado, às 21h, domingo, às 19h
Local: FUNARTE/SP – Sala Renée Gumiel
Alameda Nothmann, 1058 – Campos Elíseos – São Paulo/SP
(Próximo ao metrô Santa Cecília e Marechal Deodoro)
Investimento: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia).
(Não aceita cartões. Retirar ingressos com uma hora de antecedência)