Espetáculo ‘Nosso Flamenco’ mescla ritmo com cultura brasileira

O espetáculo de dança contemporânea NOSSO FLAMENCO nasceu da vontade dos seus criadores promoverem o diálogo entre várias artes, com foco na troca entre a cultura brasileira e dança flamenca. A montagem, que faz única apresentação em São Paulo, dia 31 de outubro, quarta-feira, às 21 horas, no Teatro Sérgio Cardoso, é fruto da parceria entre os grupos campineiros Gemini Cia de Artífices e a Cia Soniquete Arte Flamenca.

NOSSO FLAMENCO propõe uma mescla entre o flamenco, a dança contemporânea e a cultura popular brasileira. Quatro bailarinos – Carlinhos Rowlands, Carol Robatini, Hellen Audrey e Mariana Abreu – e quatro músicos – Alessandro Reiner, Breno Lopes, Edu Guimarães e Guga Costa – participam dessa costura, que ainda conta com uma trilha sonora composta por arranjos originais de músicas de Cartola, Caymmi, Vinícius de Moraes, Baden Powell, Tom Jobim, Sivuca, João Bosco e Chico César, colocando a beleza da música brasileira em pleno diálogo com a poesia do flamenco.

Com direção geral de Guga Costa, Hellen Audrey e Mariana Abreu, o espetáculo já passou por diversas cidades brasileiras, com destaque para a abertura do 25º Festival de Dança do Triângulo Mineiro (Uberlândia, 2016), o Circuito Sesc de Artes 2017, o Festival da Integração 2017 e o Festival de Dança de Londrina 2015. Em 2017 o projeto foi contemplado pelo ProAC Edital de Circulação de Espetáculos de Dança.

De acordo com o músico e diretor Guga Costa, o NOSSO FLAMENCO está em constante mutação. “Desde 2013, já acrescentamos diversas novidades ao espetáculo, trazendo novas músicas e novos elementos para a cena, sempre contando com um retorno sempre muito positivo do público. Para o show em São Paulo, por exemplo, trazemos canções do Chico César, do Secos & Molhados e Dorival Caymmi”, conta.

Cultura popular

A Gemini Cia de Artífices e a Cia Soniquete Arte Flamenca já haviam trabalhado juntas anteriormente. A criação de NOSSO FLAMENCO surgiu com o intuito de ampliar o alcance dessa parceria em torno da cultura brasileira e do flamenco. “Aqui no Brasil, considero que o flamenco tem um acesso muito elitizado. Porém, por origem, trata-se de uma arte popular e que também tem a rua como um espaço importante de fruição. Foi daí que veio a ideia de misturar o flamenco com a nossa MPB e as danças brasileiras – através do brincante – além de acrescentar a dança contemporânea como uma espécie de mediadora nessa costura poética. Desde o início do projeto, um dos nossos objetivos sempre foi levar o flamenco para lugares públicos e falar com os mais diversos públicos, mostrando o quanto a arte pode ser democrática. E conseguimos ver isso claramente nesses mais de dois anos de estrada. Hoje a versão para teatro concretiza uma trajetória muito bonita do processo criativo dessa ideia e desse espetáculo”, diz Guga.

Sobre a Gemini Cia de Artífices

Formado em 2013 pelo cantor, compositor e produtor Guga Costa, em parceria com a bailarina e educadora do movimento Hellen Audrey, a Gemini Cia de Artífices é um núcleo de criação e produção artística e executiva que tem como foco a interdisciplinaridade no campo das artes. Sediada em Campinas/SP, o grupo tem como missão o desenvolvimento de projetos artísticos através de parcerias e criações colaborativas e interdisciplinares. Dentre os projetos realizados pela Gemini estão a produção do espetáculo Delírico – O Mundoceano, do cantor Guga Costa; a curadoria e produção da série Ernst Mahle – 85 Anos de Muita Música, realizada no Sesc Vila Mariana, em São Paulo/SP; o espetáculo Nosso Flamenco, em parceria com a Cia Soniquete Arte Flamenca; e {Jandiras}, que é o mais novo trabalho do grupo, sendo um híbrido de espetáculo dança, performance e instalação.

Sobre a Cia Soniquete Arte Flamenca

Formada pela fusão dos grupos Alboreá e Soniquete – completou, em 2018, 16 anos de um trabalho sólido e consistente no desenvolvimento e difusão da Arte Flamenca no Brasil. Contando com a direção artística e coreográfica de Mariana Abreu, este trabalho vem sendo amplamente reconhecido pela crítica e pela mídia, principalmente da região de Campinas/SP. O grupo explora desde formas mais tradicionais até formas contemporâneas de flamenco, investindo em novas expressões e linguagens. Em 2013, o grupo trouxe ao Brasil o bailaor espanhol Antonio Canales, um dos ícones do Flamenco mundial, para o espetáculo ‘Antonio’. Ainda em 2013, o grupo estreou o espetáculo Nosso Flamenco. Em 2014, a Cia Soniquete foi contemplada com apoio do Ministério da Cultura para uma viagem a Espanha, para participar de cursos, workshops e shows com alguns dos maiores nomes do flamenco de todo o mundo, durante o Festival Internacional de Flamenco, realizado em Jerez de La Frontera. Também em 2014, a Cia Soniquete estreou o espetáculo Madres, realizado no Teatro Castro Mendes, em Campinas. Em 2015 a companhia trouxe para o Brasil o renomado bailaor espanhol El Torombo.

Ficha Técnica

Idealização e Direção Geral – Guga Costa, Hellen Audrey e Mariana Abreu.
Bailarinos – Carlinhos Rowlands, Carol Robatini, Hellen Audrey e Mariana Abreu.
Músicos – Alessandro Reiner, Breno Lopes, Edu Guimarães e Guga Costa.
Pesquisa e Concepção Coreográfica em Dança Contemporânea e Danças Populares – Hellen Audrey.
Pesquisa e Concepção Coreográfica em Flamenco – Mariana Abreu e Carlinhos Rowlands.
Direção Musical – Músicos integrantes do Nosso Flamenco.
Cenário – Hellen Audrey.
Criação e Concepção de Luz – Eduardo Brasil.
Produção Executiva – Guga Costa – Redário Cultural.
Técnico de Som – Mário Porto.
Design e Fotografia – Vitor Damiani.

Crédito da foto: Vitor Damiani

Serviço

Nosso Flamenco
Gemini Cia de Artífices e a Cia Soniquete Arte Flamenca

Dia 31 de outubro de 2018
Quarta, às 21h
Local: Teatro Sérgio Cardoso
Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista, São Paulo – SP
Ingresso: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada)
Informações: (11) 3288-0136
Duração: 60 minutos
Classificação: Livre

Deixe uma resposta