Coletivo Calcâneos estreia Filhxs –da– Pº##@! – T O D A

O novo espetáculo do Coletivo Calcâneos, Filhxs –da—Pº##@! – T O D A (Filhos (as) da Porra Toda), estreia no dia 1ª de abril, às 20h, na Oficina Cultural Oswald de Andrade com ingressos gratuitos.

Decreto para devidos fins,
sob lei, que já não gera empatia,
alteridade e amor.
O pulso do coração da humanidade, parou.
Ainda assim a gente faz pulsar.

Filhxs –da—Pº##@! – T O D A (Filhos (as) da Porra Toda) tem a intenção de transpor as dores da periferia delimitadas aos corpos que compõem os altos índices de preconceitos em meio a esta sociedade. Alcançando como tema gerador a vulnerabilidade social em suas diversas facetas. Manifesta-se na pretensão de instigar questões crítico-reflexivas por intermédio de uma obra artística em dança sobre o Ser periférico (a) na reverberação dos contextos de opressor e oprimido, e a partir das relações que circundam essas atuações dando corpo a assuntos que incomodam ou que deveriam incomodar! O incômodo como passo norteador.

Em uma sociedade que historicamente colocou a agressão em um posicionamento de normalização, o Coletivo relembra falas e dores dos (as) que já passaram e os (as) que ainda permanecem aqui. Pensa na revolta como ação política, mas fomenta a conexão na alteridade que essas afetações podem trazer.

Sobre o Coletivo Calcâneos

Coletivo de jovens artistas periféricos (as), situados e situadas na região Leste da cidade de São Paulo, desde nascimentos vivendo o contexto desta localização, percorre na pele esse ponto no mapa para a motivação da pesquisa que emerge. Uma busca contínua por abordar este contexto, envoltos à arte e cultura, pensando o ser humano periférico, compreendendo quem somos e como atuamos nessa forma de existência. Um processo de reconhecimento do indivíduo periférico, da sociedade em que está inserido, encaminhando-se a reflexões-críticas e, a partir deste reconhecimento voltando o olhar para as formas de agir. Desta forma, fomentando a pesquisa de alicerce do Coletivo: o Ser Humano.

Ficha Técnica

Direção Geral e Artística: Victor Almeida
Intérpretes criadores: Adriele Gehring, Barbara Oliveira, Joelma Souza, Lucas Pardin, Thainá Souza, Victor Almeida, Vinicius Longuinho.
Musicistas: Alex Barbosa, Felipe Oliveira, Pâmela Amy, Paula Beatriz.
Orientação Musical: Renato Pessoa
Ensaiador: Rivaldo Ferreira
Incentivadores corporais: Bruna Andrade, Fernando Medina, Guilherme Nobre, Henrique Lima, Munique Mendes, Paula Salles, Veronica Santos e Yaskara Manzini.
Orientação de texto: Cinthya Santos – Kimani
Designer Gráfico e Digital: Felipe Pardini
Social Media: Joelma Souza.
Figurino: Adélia Wellington
Técnica de som: Raiany Sinara
Cenário: Victor Almeida
Iluminação: Juliana Jesus
Fotografia: Jack Bones
Voz: Adriele Gehring, Angelina Aparecida dos Reis Camilo, Alex Antônio, Anelise Mayumi, Ashelley Beauty, Barbara Oliveira, Bárbara Santos, Deise de Brito, Diego Castro, Flip Couto, Guilherme Theodoro (Guina), Joelma Souza, Lucas Almeida, Lucas Pardin, Marlene Rosa de Santana, Maria da Graça Araujo, Michelle Fusco, Thábata Letícia, Thainá Souza, Victor Almeida e Vinicius Longuinho.
Direção de Produção: Victor Almeida
Produção: Janaína Oliveira
Assistente de Produção: Henrique Morena
Produção Geral: Coletivo Calcâneos

Crédito da foto: Jack Bones

Serviço

Filhxs –da– Pº##@! – T O D A (Filhos (as) da Porra Toda)
Coletivo Calcâneos
Dia 01 de abril de 2019
Segunda, 20h.
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade.
Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo – SP
Ingresso: Grátis (retirar 1h antes do início
Duração: 45min.
Classificação: 12 anos.

Deixe uma resposta