ANIKAYA Dance Theater apresenta Forest no CRDSP

Foto: Fábio Minagawa

No dia 09 de Março às 19h, a ANIKAYA Dance Theater, com direção desde 1998 da artista norte-americana Wendy Jehlen, apresenta Forest, integrando a Mostra VAI em Movimento realizada no Centro de Referência da Dança, de 02 à 11 de Março de 2017, com entrada gratuita.

A Mostra VAI em Movimento, reúne obras de diversos núcleos e artistas da dança, que tiveram suas propostas contempladas na edição do Programa VAI em 2016, e nessa edição, integra na programação grupos residentes do Centro de Referência da Dança, fortalecendo o diálogo e fomentando a produção da dança, hoje, tão plural e disseminada por todos os cantos da cidade de São Paulo.

A ANIKAYA Dance Theater tem a missão de romper as fronteiras entres pessoas, culturas e formas de arte. Nosso trabalho tem se estendido por todo o mundo. E desde 2015 realiza ações sólidas em São Paulo e desde 2016, a cidade sedia elenco composto por artistas da dança e técnicos convidados, fazendo do Centro de Referência da Dança, seu local de residência.

Wendy Jehlen é fundadora/diretora e bailarina da ANIKAYA Dance Theater. É uma contadora de histórias onde sua abordagem única ao movimento incorpora elementos de vários estilos diferentes de movimento como o bharata natyam, o odissi e o kuchipudi. A capoeira, a arte marcial da Índia derivado da ioga chama-se de kalaripayattu, a dança africana do oeste, o butoh e vários estilos de dança contemporânea. A coreografia emocionalmente marcante de Jehlen tem sido apresentada em vários lugares nos Estados Unidos, na Itália, Índia, África, França, Turquia, Brasil e no Japão.

Forest é baseado em pesquisas sobre a mitologia da floresta como um lugar de transformação. A floresta tem sido sempre um espaço importante na mitologia e psique humana. A falta de respeito do homem em relação à natureza gera desequilíbrios, como o aquecimento global e os desastres ambientais, colocando o lugar da floresta em risco. Forest nos leva de volta a este espaço sagrado, em constante evolução, lembrando-nos do seu poder e de sua fragilidade. Nas histórias, em todo o mundo, todos os heróis passam pelo “deserto”, por desafios e dificuldades, encontrando-se no processo. Em Forest, a ANIKAYA Dance Theater leva o público através do deserto, no centro do qual nos encontramos. A viagem começa no chão da floresta, com árvores crescendo, rompendo a terra, insetos correndo, e termina acima do dossel da floresta, voando com os pássaros.

A estrutura de Forest é baseado no “margam”, a estrutura tradicional de uma performance Bharatanatyam, que espelha a estrutura dos templos indianos do Sul, que por sua vez reflete os estágios da iluminação. No “margam”, a dançarina orienta o público sobre o ponto inicial para o espaço liminar do templo, em seguida, mais profundo e mais profundo no “sanctorum” do santuário. Finalmente, ela os envia de volta para o mundo, porque permanecer no centro é loucura.

Na dança clássica indiana, o deus do limiar é “Ganesha”, o deus com cabeça de elefante. O elefante é visto passando por muitos dos ambientes criados em Forest. No entanto, em Forest, o deus do limiar é a borboleta, uma homenagem em memória ao contador de histórias Brother Blue, o som e o ritmo da respiração que nos atrai para o mundo de Forest, e nos envia de volta para fora novamente.

Ao pesquisar Forest, Wendy encontrou uma história criada a partir de um experimento feito na década de 1980 nos EUA – o Bio-Dome. A intenção do Bio-Dome foi de “para criar o ambiente de vida perfeito para os seres humanos, plantas e animais. Uma cúpula de vidro enorme foi construída e assim, um ambiente artificial controlado foi criado com ar e água purificados, luz filtrada, e assim por diante, oferecendo as condições de crescimento perfeitas para árvores, frutas, legumes e animais… inclusive os seres humanos. As pessoas viviam na Bio-Dome por muitos meses de cada vez, e era maravilhoso porque tudo parecia fazer bem, com uma exceção. Quando as árvores que foram plantadas cresceram numa certa altura, elas simplesmente tombaram. Elas intrigaram os cientistas por muito tempo, até que um dia perceberam um elemento natural no qual eles esqueceram de recriar no Bio-Dome: o vento! As árvores precisam do vento a soprar contra elas, que por sua vez, faz com que seus sistemas de raízes cresçam mais profundamente no solo, que por sua vez, suportam as árvores à medida que cresce mais alto”.

O cultivo de árvores em Forest tem como base esta ideia – de resistência como essencial para o crescimento – e inspirado no Butoh. Este crescimento é um elemento sempre presente na floresta – luta constante.

O espetáculo conta com a presença de Wendy Jehlen, artistas da cena paulista e o convidado Marcel Gbeffa de Benin. Marcel é um prolífico coreógrafo e dançarino que trabalhou com muitos líderes importantes e inovadores no mundo da dança contemporânea africana e da diáspora africana. Completou a sua formação profissional na famosa Ecole des Sables de Germaine Acogny, no Senegal. Tem dançado com Salia Sanou, Patrick e Germaine Acogny, Andréya Ouamba, Reggie Wilson, Nobert Senou e muitos outros. Fez turnês na Europa, Estados Unidos, Brasil e em toda a África.

Forest está em processo de remontagem, mas você já pode conferir o que a ANIKAYA Dance Theater tem desenvolvido no Brasil.

FICHA TÉCNICA

Direção Geral, Artística e Concepção: Wendy Jehlen
Intérpretes: Átila Muniz, Juliana Nascimento, Raíssa Tomasin, Raquel Flor, Rodrigo Cândido, Wendy Jehlen e Wellington Santana
Intérprete Convidado: Marcel Gbeffa (Benin)
Trilha Sonora: Michael Galasso, Nandlal Nayak, Guilllerme Franco e Dani Dalinian
Operação de Som: Lucas Bernardo
Iluminação: Pradhuman Nayak, Lynda Reiman e Jayne Murphy
Adaptação e Operação de Luz: Gabriella Russo
Figurino: Wendy Jehlen

SERVIÇO

Forest
ANIKAYA Dance Theater
Dia 09 de março de 2017
Quinta, às 19h
Local: Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo
Baixos do Viaduto do Chá, s/nº – Centro – São Paulo/SP
(ao lado do Theatro Municipal – próximo às estações Anhangabau, São Bento e República do Metro)
Ingresso: Grátis
Classificação: Livre
Duração: 60 min