A São Paulo Companhia de Dança estreia o ‘Bernstein 100’ no Festival Vermelhos 2018

A São Paulo Companhia de Dança, sob direção de Inês Bogéa, se une a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, ao Coral Paulistano e cantores, para a estreia de Bernstein 100, dia 04 de agosto durante o Festival Vermelhos 2018, em Ilhabela. Com encenação dirigida por Ulysses Cruz, a primeira grande produção do Vermelhos 2018, levará ao seu palco todo vigor da arte brasileira e apresentará números de música instrumental, canto e dança das obras “West Side Story”, “Candide”, “Fancy Free” e “On the Town”. A 4ª edição do Festival, realizado pelo Instituto Baía dos Vermelhos se integra às homenagens de todo o mundo ao centenário de nascimento do maestro e compositor norte-americano Leonard Bernstein, que se notabilizou por sua obra erudita, por sua atuação à frente das principais orquestras do mundo e pela obra que compôs para musicais apresentados na Broadway.

“É uma alegria participar deste grande encontro de artistas homenageando Bernstein. Somos mais de 200 pessoas em cena, com dança, coro e música dando vida a uma ideia que nasceu do desejo de criar interação entre as artes. A SPCD apresentará coreografias inéditas criadas por Edson Guiu e Erika Novaki que trazem uma visão inédita de trechos dos grandes musicais West Side Story, Fancy Free e On The Town”, comenta Inês Bogéa.

Inspirada nas principais obras de Leonard Bernstein para a Broadway, este espetáculo reflete as inquietudes do compositor, pianista e maestro, através de uma jornada pelos musicais West Side Story, Fancy Free, On the Town e Candide. Somado a tudo o que Bernstein representou, da importância da sua obra erudita à defesa da transição entre os gêneros eruditos e populares e a sua atuação como maestro das principais orquestras do mundo, nasce Bernstein 100. É o homem renovador, emocional e provocador, sempre determinado a romper fronteiras!

São Paulo Companhia de Dança

A São Paulo Companhia de Dança (SPCD) foi criada em 2008. Seu repertório contempla remontagens de obras clássicas e modernas, além de peças inéditas, criadas especificamente para o seu corpo de bailarinos. A Companhia, dirigida por Inês Bogéa, já percorreu 67 cidades do Estado de São Paulo, 17 cidades do Brasil, e 51 cidades do exterior em 16 países, em espetáculos vistos por um público de mais de 620.000 pessoas, com grande sucesso de crítica e público. A SPCD atua em três vertentes: difusão da dança, atividades educativas e de formação de plateia em dança, e registro e memória da dança. “Seu carisma e originalidade são incríveis”, diz Dietholf Zerweck (Alemanha). A SPCD acumula prêmios no Brasil e no exterior como: Melhor Espetáculo de Dança do ano em 2017 pelo voto do público em enquete promovida pelo Guia da Folha por O Lago dos Cisnes: Ato 2 (2017), de Mario Galizzi a partir do original de 1895 de Lev Ivanov em 2017, Ngali… (2016), de Jomar Mesquita com colaboração de Rodrigo de Castro em 2016, Indigo Rose (1998), de Jirí Kylián, em 2015, The Seasons (2014), de Édouard Lock, em 2014, Romeu e Julieta (2013), de Giovanni Di Palma, em 2013, e In The Middle, Somewhat Elevated (1987), de William Forsythe, em 2012. A São Paulo recebeu ainda premiações pelo voto do júri da mesma publicação: em 2016, Terceiro Melhor Espetáculo de Dança por Pivô (2016), de Fabiano Lima, e Segundo Melhor Espetáculo de Dança por O sonho de Dom Quixote (2015), de Márcia Haydée, em 2015. Em 2012, Bachiana nº1 (2012), de Rodrigo Pederneiras, foi eleito Melhor Espetáculo de Dança pela Veja São Paulo. Ainda em 2017, os bailarinos da Companhia, Ana Paula Camargo e André Grippi, receberam o prêmio APCA na categoria Dança/Interpretação por 14’20’’ (2002), de Jirí Kylián. A São Paulo recebeu ainda o Gütesiegel 2016/2017 na categoria Melhor Performance do Ano e Melhor Companhia de Dança pelo voto popular em Gütersloh (Alemanha), entre outros.

Inês Bogéa

É doutora em Artes (Unicamp, 2007), bailarina, documentarista, escritora e professora no curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da Universidade de São Paulo (USP). De 1989 a 2001, foi bailarina do Grupo Corpo (Belo Horizonte). Foi crítica de dança da Folha de S. Paulo de 2001 a 2007. É autora de diversos livros infantis e organizadora de várias obras literárias. Na área de arte-educação foi consultora da Escola de Teatro e Dança Fafi (2003-2004) e consultora do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo (2007-2008). É autora de mais de 40 documentários sobre dança.

Ficha Técnica

Leonard Bernstein 100 (2018)

Direção Geral: Samuel Mac Dowell de Figueiredo
Encenação: Ulysses Cruz
Música: Leonard Bernstein

Orquestra Jazz Sinfônica
Regência: João Maurício Galindo

Coro: Coral Paulistano
Regência: Naomi Munakata
Solistas: Camila Titinger, soprano | Luciana Bueno, mezzo-soprano | Daniel Umbelino, tenor | Johnny Lima, barítono

São Paulo Companhia de Dança
Direção Artística: Inês Bogéa
Coreógrafos convidados: Erika Novachi | Edson Guiu
Bailarinos: Beatriz Hack, Carolina Pegurelli, Ísis Soares, Larissa Guerra, Laura Barbosa, Michelle Molina, Poliana Souza, Bruno Veloso ou Mozart Mizuyama, Felipe Vasques, Gabriel Fernandes, Geivison Moreira, Luan Oliveira, Matheus Queiroz e Vinícius Vieira
Iluminação: Wagner Freire
Figurinos: Balletto por Luciana Mantegazza

Serviço

Festival Vermelhos 2018 – Música e Artes Cênicas
Leonard Bernstein 100 – Concerto de abertura
Orquestra Jazz Sinfônica, Coral Paulistano e São Paulo Companhia de Dança
Dia 04 de agosto de 2018
Sábado, às 20h30
Local: Teatro de Vermelhos
Av. Governador Mário Covas Júnior, 11474-11986 – Urubu – Ilhabela/SP
Ingresso: Inteira R$ 60,00 | Meia R$ 30,00
Duração: 60 min
Classificativa: Livre

Deixe uma resposta