Urban Feral inicia temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Depois de duas semanas na Galeria Olido, o espetáculo Urban Feral reestreia na Oficina Cultural Oswald de Andrade nessa quinta, dia 15 de março, para uma temporada de três semanas. A montagem do Núcleo Improvisação em Contato, tem direção de Ricardo Neves e concepção e dramaturgia assinados pela americana Nita Little, uma das pioneiras em contato improvisação nos EUA na década de 70.

Em inglês, aquilo que não é domesticado recebe o nome de feral. Esse foi o ponto de partida da pesquisa do Núcleo Improvisação em Contato para URBAN FERAL, que começa nova temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade no próximo dia 15 de março. O espetáculo, que integra o projeto Estado Avesso aprovado pelo 21º Edital de Fomento à Dança na cidade de São Paulo, tem a direção geral de Ricardo Neves, concepção e dramaturgia de Nita Little, uma das principais precursoras do contato improvisação nos EUA na década de 70.

URBAN FERAL é uma partitura encadeada de pequenas estruturas para improvisar. Resulta de um processo de pesquisa e imersão investigativa sobre a natureza da inteligência animal, nossos instintos primitivos em contraposição ao processo de domesticação e aculturação que os seres humanos vivem nos grandes centros urbanos.

“Relações de poder, opressor e oprimido, o homem e a mulher, o homem e o animal dentro de um espetáculo com um clima noir, que nos remete às décadas de 40 e 50, utilizando-se da técnica de dança fundamentada no Contato Improvisação, ferramenta de trabalho do Núcleo. Trabalhamos muito também a questão da quedas; como cair e se recuperar”, diz Ricardo Neves.

Selvagem urbano

Nita Little, coreógrafa e performer norte-americana, foi a responsável pela espinha dorsal do espetáculo, que, numa parceria com Ricardo Neves, diretor da companhia, ofereceram aos intérpretes criadores elementos essenciais para a concepção da obra.

Sandra Ximenez, responde pela paisagem sonora, utilizando-se da tecnologia para texturizar o sensorial numa fusão de sons eletrônicos com orgânicos. José Silveira, que responde pela ambientação cênica, climatiza o espetáculo numa ambientação quase cinematográfica. David Schumaker, artista visual dos mais renomados, assina o figurino, unindo os elementos da criação à sua forte tendência à mitologia.

Sobre NIC – Núcleo Improvisação em Contato

Coletivo de artistas, criado em 2011, interessados na pesquisa e o aprofundamento de uma vertente da dança contemporânea, o Contato Improvisação. Partindo da fisicalidade e de questões específicas que emergem dos laboratórios práticos e reflexivos, o Núcleo desenvolve ainda ações de formação e difusão como a organização de Cursos, Oficinas, Jams/Encontros abertos de improvisação, com diferentes temáticas. Sob a direção e orientação de Ricardo Neves, acumula em seu repertório diversos experimentos cênicos além de obras coreográficas, dentre as quais destacamos: “Em busca do peso perdido” e “Relation X”.

Ficha técnica

Direção Geral: Ricardo Neves.
Concepção e Dramaturgia: Nita Little.
Núcleo Artístico: Ricardo Neves, Cristiano Karnas, Dresler Aguilera, Felipe Cirilo, Marília Persoli, OTilia Françoso e Ricardo Silva.
Preparação Corporal: Ricardo Neves e Sensei Igor Koga.
Designer de luz e Cenografia: José Silveira.
Paisagem Sonora: Sandra Ximenez.
Figurino: David Schumaker.
Captação de Imagens e Vídeo maker: Silvia Carderelli-Gronau.
Registro fotográfico: Fabio Minagawa.
Registro em vídeo: Daniel Lins de Carvalho.
Direção de Produção: Solange Borelli – Radar Cultural – Gestão e Projetos.

Crédito da foto: Fabio Minagawa

Serviço

Urban Feral
Núcleo Improvisação em Contato
De 15 a 31 de março de 2018
Quintas e sextas, às 20h, sábados, às 18h
(na sexta, dia 30, a apresentação acontece às 18h)
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade.
Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – São Paulo/SP
Ingresso: Grátis (ingressos distribuídos uma hora antes)
Informações: (11) 3222-3662
Duração: 50 minutos.
Classificação: Livre.

Deixe uma resposta