Teatro Sérgio Cardoso recebe ‘Resvala em Silêncio’, do Grupo Dançaberta

O Teatro Sérgio Cardoso, equipamento do Governo do Estado de São Paulo administrado pela organização social APAA, recebe duas apresentações do espetáculo “Resvala em Silêncios” do Grupo Dançaberta. Apresentações acontecem sábado (12 de agosto), às 20h, e domingo (13 de agosto), às 18h, com entrada gratuita.

Para o escritor moçambicano Mia Couto: “… todo o silêncio é música em estado de gravidez”. Opinião parecida tem o premiado Grupo Dançaberta (Campinas/SP), que, na mais recente montagem, resolveu investigar as inúmeras possibilidades do silêncio. Inclusive, é claro, o silêncio que dança. O resultado da pesquisa foi batizado de “Resvala em Silêncios”. A turnê também prevê a realização de uma oficina na cidade sobre o processo de criação do espetáculo. Detalhe: todas as atividades são gratuitas.

A montagem se faz com os bailarinos Ayumi Hanada, Bruno Harlyson, Cléo de Paula, Flávia Pinheiro e Robson Lourenço, sob a direção de Júlia Ziviani, coreógrafa e docente do Instituto de Artes da Unicamp, com assistência de Cléo de Paula e Júlia Ferreira. Para cair na estrada, “Resvala em Silêncios” contou com o apoio do Prêmio ProAC Circulação de Espetáculo de Dança (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo). Nesse sentido, a montagem e a oficina “Construção de estados corporais e processos criativos em dança” passarão por cinco cidades do Estado: São Carlos, Taubaté, São Paulo, Sertãozinho e Campinas.

O ponto de partida do espetáculo nasceu de uma inquietação da diretora. Na época, Júlia estava fascinada com a leitura de “As Formas do Silêncio”, de Eni Puccelli Orland. “Não há silêncio na atualidade. Isso só já era motivo suficiente para tratar desse assunto. Contudo, a partir desse livro, tive a constatação que nos faltam calma e silêncio interior. O ruído interno chega a ser maior do que o externo, principalmente quando percebemos o corpo como soma (palavra grega que significa corpo total-físico, mental e espiritual). A nossa prioridade passou ser a de encontrar um espaço de tranquilidade no interior do nosso corpo, para assim aprendermos mais sobre nós mesmos, e na relação com o outro e com o meio ambiente”, destaca a diretora.

A partir do tema definido e lançado ao grupo, a criação da montagem tornou-se coletiva. Para tanto, novas leituras foram propostas e os bailarinos foram instigados a trazer para a sala de ensaios lembranças vivas de situações pessoais em que o silêncio esteve presente. “Com esse material rico em discussão, passamos a trabalhar com improvisos e já selecionar algumas cenas que achávamos interessantes para a montagem. Aliás, no processo de criação do Grupo Dançaberta, o intérprete tem um papel bastante ativo e importante na construção do espetáculo”, conta a bailarina Ayumi Hanada.

Quem assiste a “Resvala em Silêncios”, percebe claramente as diversas formas que o silêncio ocupa e se apresenta no cotidiano: ora opressor e constrangedor, ora meditativo e contemplativo. Ou, até mesmo, o da morte. “Cada cena apresenta um sentido distinto do silêncio. Resolvemos trabalhar com esses vários lados para, propositalmente, instigar a reflexão e a percepção do público. Estamos mais interessados em perceber as sensações e os sentidos que o silêncio provoca nas pessoas do que tratar simplesmente da ausência do ruído. A questão é: ‘o que o silêncio me causa?’”, avalia.

Para perceber e possibilitar o acesso aos sentidos, o espetáculo se vale de diferentes movimentos dos bailarinos, numa mistura entre explosão e recolhimento, tranquilidade e euforia. “Busquei procedimentos para preparação e criação coreográfica que enfatizassem a atenção plena e ativa no momento presente, conhecida por muitos praticantes como mindfulness. Aliado a esses procedimentos contamos com uma preparação corporal específica desenvolvida por Fabricio Fernandes com a técnica de Pilates”, explica Julia. Soma-se a eles a trilha sonora original assinada por Marcelo Onofri, que, ao piano, em companhia de Eduardo Guimarães (acordeom), reforça pela linha melódica os diferentes tratamentos dados ao silêncio. Tudo isso distribuído em um espaço octogonal em que o público ocupa as quatro pontas da cena.

O Grupo

Em atividades há 17 anos, sob a direção da coreógrafa e docente Júlia Ziviani, o Dançaberta está vinculado ao Departamento de Artes Corporais da Unicamp (Campinas/SP). Formado por graduados e graduandos em Dança pela universidade, o grupo está focado na relação e na aplicabilidade de conceitos e princípios da educação somática na interpretação e na criação em dança. Destaque aos espetáculos Começar e Cutucar, vamos ver onde dá? (2009), Entre-meios (contemplado pelo ProAC Circulação, em 2011) e (Des)equilibrando Avessos (contemplado pelo ProAC Circulação, em 2016), bem como a Escondeus (contemplado pelo FICC, em 2013).

Serviço

Resvala em Silêncios
Grupo Dançaberta
12 e 13 de agosto de 2017
Sábado, às 20h, domingo às 18h
Local: Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno
Rua Rui Barbosa, 153 – Bixiga – São Paulo/SP
Ingresso: Grátis
Capacidade: 144 lugares
Classificação etária: 12 anos
Duração: 50 minutos
Informações: (11) 3082-8080

Oficina

Construção de estados corporais e processos criativos em dança
12 de agosto, sábado, das 15h às 17h
Sala Paschoal Carlos Magno
Vagas: 25 pessoas
Indicação etária: maiores de 16 anos
Público-alvo: bailarinos, pesquisadores e pessoas interessadas no movimento.
Inscrições gratuitas: https://www.facebook.com/events/119811985307450

Crédito da foto: Silvia Machado

Deixe uma resposta