SPCD participa da Temporada de Dança 2018 – Teatro Alfa com direito a estreia

O ano de 2018 está sendo recheado de grandes estreias da São Paulo Companhia de Dança. No ano em que comemora 10 anos de existência a companhia nos presenteia com belíssimas estreias; como o grande espetáculo que celebrou a abertura das comemorações do aniversário da companhia (Melhor Único Dia, de Henrique Rodovaho), criações de jovens coreógrafos (Petrichor, de Thiago Bordin, e Instante, de Lucas Lima), Jazz Dance em homenagem a Leonard Bernstein (Bernstein 100, de Erika Novachi e Edson Guiu), espetáculo celebrando a música de Robert Schumann (Schumann ou Os Amores do Poeta, de Cassi Abranches e Milton Coatti) e agora mais uma estreia especial para a Temporada de Dança do Teatro Alfa (Odisseia, de Joelle Bouvier). E não para por aí. Em novembro a SPCD promete apresentar a montagem completa de um dos mais aclamados ballets clássicos de todos os tempos, O Lago dos Cisnes, do qual o público já teve o prazer de prestigiar a coreografia do 2º Ato (de Mario Galizzi, a partir do original de 1895 de Lev Ivanov).

Nesta temporada no Teatro Alfa, a São Paulo Companhia de Dança, companhia da Secretaria da Cultura do Estado, dirigida por Inês Bogéa, traz coreografias de três grandes nomes da dança contemporânea: Henrique Rodovalho, Jirí Kylián e Joelle Bouvier. Melhor único Dia, de Rodovalho, apresenta um grupo de pessoas que cruzam a cena criando ondas de movimentos. 14`20, de Kylián é um duo que traz imagens fortes de um relacionamento humano entre duas pessoas que se encontram, se procuram e se perdem. Odisseia, de Joelle Bouvier foi inspirada nos intensos fluxos de imigrantes da nossa atualidade. Uma obra que apresenta uma narrativa poética, com 14 bailarinos na cena.

Melhor Único Dia (2018)

Coreografia e iluminação: Henrique Rodovalho
Música: Criação original de Pupillo com voz de Céu
Figurino: Cássio Brasil
Estreia mundial pela SPCD: 2018, Sesc Santos, Santos, Brasil

Rodovalho comenta que neste trabalho experimenta movimentos expandidos e continuados a partir da relação dos bailarinos que permanecem todo o tempo em cena. “As referências sobre esta característica vieram de grandes grupos de animais em movimento e como se desenvolvem e se relacionam”, diz o coreógrafo. A obra trata sobre ‘o que tem de acontecer’, neste breve espaço de tempo de existência deste grande grupo, relacionado principalmente a algum tipo de prazer. Por isso, o nome Melhor Único Dia. “Para tentar traduzir, de alguma forma, a curta existência que se expressa por meio do movimento em grupo”, completa Rodovalho.

Sobre Rodovalho

É diretor artístico e coreógrafo residente da Quasar cia. De Dança, uma das mais importantes do Brasil. Sua linha de pesquisa é baseada na complexidade existencial do corpo e da alma. Ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais como o Prêmio Mambembe e XXI Prêmio da Composição Coreográfica no México. A SPCD tem em seu repertório Inquieto, criado em 2011.

Melhor Único Dia | Foto: Fernanda Kirmayr

14’20’’ (2002)

Coreografia e produção: Jirí Kylián
Assistente de coreografia: Nina Botkay
Música: Dirk Haubrich (nova composição baseada em dois temas de Gustav Mahler [1860- 1911])
Cenografia: Jirí Kylián
Figurino: Joke Visser
Iluminação: Kees Tjebbes
Supervisão de iluminação e cenário: Loes Schakenbos
Estreia mundial: 2002, em The Hague, Holanda, pelo Nederlands Dans Theater II
Estreia pela SPCD: 2017, em São Paulo, Brasil, no Teatro Sérgio Cardoso
*Recomendado para maiores de 12 anos

14´20’’ é um extrato da obra 27’52´´ – cujo título refere-se à duração do espetáculo – de Jirí Kylián. Ao som da música eletrônica de Dirk Haubrich, entremeada por uma voz feminina em alemão e outra masculina em francês, vemos um duo que traz para cena questões de tempo, amor, vida e morte, temas recorrentes nas obras deste coreógrafo. Esta é a quarta obra de Kylián a compor o repertório da São Paulo Companhia de Dança (Sechs Tanze, Indigo Rose e Petite Mort).

Sobre Jirí Kylián

Um dos nomes mais importantes da dança mundial, tem como fundamento a técnica clássica revisitada de maneira contemporânea. Foi diretor artístico do Netherlands Dans Theater (NDT), em Haia, Holanda, por mais de 20 anos. Nesse período criou mais de 70 obras. Atualmente tem coreografias encenadas por diversas companhias do mundo. 14’20’’ é a quarta obra de Kylián a compor o repertório da SPCD, que já inclui: Sechs Tanze, Indigo Rose e Petite Mort.

Odisseia (2018) – Estreia

Coreografia: Joelle Bouvier
Assistente de coreografia: Emilio Urbina e Rafael Pardillo
Música: trechos de Bachianas Brasileiras de Villa Lobos, Paixão Segundo São Mateus de Johann Sebastian Bach e Melodia Sentimental – Pátria Minha com poesia de Vinícius de Moraes, cantada por Maria Bethânia.
Figurino: Fábio Namatame
Iluminação: Renaud Lagier

Para Joelle Bouvier, um espetáculo é também um trabalho de comunicação, não somente com os bailarinos, mas também com o público. Assim surge Odisseia, obra criada especialmente para a Companhia, que apresenta uma viagem, um reencontro consigo mesmo. Inspirada pela questão dos imigrantes da atualidade, a coreógrafa procura construir uma estrutura dramática e poética sobre a ideia de mudança, de transição, de partir com a esperança de uma vida melhor. “Neste momento, somos todos sensíveis a esta questão, que é forte no mundo”, comenta Joelle .

Convidada por Inês Bogéa a criar uma obra com música de Heitor Villa Lobos, Bouvier explica que, como o compositor, se inspirou em Bach e procurou misturar fragmentos de sua composição “Paixão Segundo São Mateus” com fragmentos das Bachianas de Villa Lobos. Ao final temos na voz de Maria Bethânia, a Melodia Sentimental – Pátria Minha, com poesia de Vinícius de Moraes.

A obra tem co-produção do Teatro de Chaillot na França e fará parte da Turnê Internacional da SPCD em 2019.

14’20’’ | Foto: Arthur Wolkovier

Sobre Joelle Bouvier

Fundadora da empresa L’Esquisse em 1980 com a coreógrafa Régis Obadia, com quem fez quinze trabalhos, Joëlle Bouvier, uma das pioneiras da Nouvelle Danse francesa naquela década, segue carreira solo desde 1998. Suas coreografias estão em turnê pelo mundo e seus curtas-metragens são estreados em inúmeros festivais. De 1986 a 1992 foi vice-diretora do Centre Choréographique National de Havre e de 1993 a 2003 vice-diretora do Centre National de Danse Contemporaine em Angers. Em 1992, recebeu o Grande Prêmio da associação francesa de autores e compositores sacd. O Ministério da Cultura da França lhe concedeu em 2000 a “Ordem das Artes e da Literatura”. “Roméo et Juliette” é o primeiro trabalho para o “Ballet du Grand Théâtre de Genève”. Para a coreografia seguinte, “Tristan et Isolde”, recebue o Prêmio da Crítica 2015.

São Paulo Companhia De Dança

Criada em janeiro de 2008 pela Secretaria da Cultura do Estado, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD) – gerida pela Associação Pró-Dança – é dirigida por Inês Bogéa. A SPCD é uma Companhia de repertório, ou seja, realiza montagens de excelência artística, que incluem trabalhos dos séculos 19, 20 e 21 de grandes peças clássicas e modernas a obras contemporâneas especialmente criadas por coreógrafos nacionais e internacionais. A difusão da dança, produção e circulação de espetáculos é o núcleo principal de seu trabalho. A SPCD apresenta espetáculos de dança no Estado de São Paulo, no Brasil e no exterior e é hoje considerada uma das mais importantes com¬panhias de dança da América Latina pela crítica especializada, acumulando 17 prêmios no Brasil e no exterior. Desde sua criação já foi assistida por um público superior a 620 mil pessoas, passando por 67 cidades do Estado de São Paulo, 17 cidades do Brasil e 51 cidades do exterior em 17 países em mais de 800 apresentações.

Inês Bogéa

É doutora em Artes (Unicamp, 2007), bailarina, documentarista, escritora e professora no curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da Universidade de São Paulo (USP). De 1989 a 2001, foi bailarina do Grupo Corpo (Belo Horizonte). Foi crítica de dança da Folha de S. Paulo de 2001 a 2007. É autora de diversos livros infantis e organizadora de várias obras literárias. Na área de arte-educação foi consultora da Escola de Teatro e Dança Fafi (2003-2004) e consultora do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo (2007-2008). É autora de mais de 40 documentários sobre dança.

Crédito da foto destaque: Rodolfo Paes Dias

Serviço

Temporada de Dança do Teatro Alfa
Melhor Único Dia | 14’20’’ | Odisseia (Estreia)
São Paulo Companhia De Dança
Dias 15 e 16 de setembro de 2018
Sábado, às 20h, e domingo, às 18h
Local: Teatro Alfa
R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro, São Paulo – SP
Ingresso: Valor: a partir de R$37,50
Duração: 60 min
Classificativa: Livre, com exceção da obra 14’20’’ recomendada para maiores de 12 anos.

Deixe uma resposta