Projeto Entrando na Dança 2014 – Criações Comunitárias (Post atualizado)

Entrando na Dança_Charme_crédito_ Cidinha Almeida(18)
Através de uma perspectiva contemporânea, 4ª edição do Entrando na Dança apresenta espetáculos inéditos com preços populares.

[Post atualizado]

Levar o funk, o charme e o hip-hop para os palcos da Zona Norte do Rio de Janeiro: essa é a proposta da quarta edição do Entrando na Dança, projeto de formação e circulação da Associação Cultural Panorama – que realiza também o Festival Panorama. A programação, que vai até o dia 26 de setembro, traz três criações inéditas inspiradas nesses estilos de danças urbanas, dominantes no subúrbio da capital fluminense, todas através de uma perspectiva contemporânea de concepção. Nesta sexta-feira, dia 12 de setembro, o espetáculo “Gueto (qual o ônibus que pego depois da rodoviária)”, da coreógrafa Sonia Destri Lie, estreia na Arena Carioca Fernando Torres, em Madureira.

Sonia Destri Lie teve como ponto de partida o Baile Charme de Madureira, que toma conta do viaduto do bairro aos sábados. Junto com o grupo de 10 bailarinos, que ensaiou na Arena Fernando Torres, vizinha ao local, reúne na obra o como pensam a dança e para onde querem ir com ela. Além da estreia no dia 12, mais duas apresentações estão marcadas: dia 20, na Pavuna e dia 21, na Penha.

Fenômeno do gênero musical Funk, o Passinho foi a inspiração para a criação de “Suave”, de Alice Ripoll, que trabalhou na Arena Carioca Dicró, na Penha. A energia vital do movimento – que domina o corpo de jovens cariocas – traz traços bastante distintos da batida que o embala. Através dessa rica composição de movimentações, que mistura estilos como o frevo, kuduro e samba, Ripoll trabalha passos engenhosos e cria, com protagonistas humorados e divertidos, uma singular narrativa. Nos dias 17 e 25 de setembro o publico poderá conferir as performances do grupo comandado por Alice.

Já “Sob Rodas”, de Renato Cruz, que tem as próximas apresentações marcadas para os dias 19 e 26 de setembro, fala das diferenças, dos pontos divergentes que se cruzam: o velho com o novo, o homem com a mulher, o nordestino, o sulista, o nortista e o norte. Dando voz a suas realidades e crenças, o espetáculo trabalha com as batalhas pessoais de cada um, dentro dos mitos e estereótipos da cultura e mercado do hip-hop.

Com audições públicas realizadas em junho, 30 dançarinos foram escolhidos para trabalharem ao lado dos coreógrafos Renato Cruz (Cia. Híbrida), Alice Ripoll (Cia. REC) e Sonia Destri Lie (Cia. Urbana de Dança). O projeto, que mantém sua essência de descentralização, trabalhando nas regiões fora do eixo comercial da cidade (Centro-Zona Sul), agora ocupa e circula, de 5 a 26 de setembro, pelas arenas Cariocas Fernando Torres (Madureira), Dicró (Penha) e Jovelina Pérola Negra (Pavuna).

“Durante três meses, esses trinta dançarinos, que vivem a dança de forma espontânea na noite carioca, criaram os três espetáculos junto com os coreógrafos. Foi um movimento de mão-dupla que une técnica e paixão pelo movimento” explica a diretora geral Nayse López.

Democratização do acesso através da dança

Com direção geral de Nayse López, o Entrando na Dança nasceu do aprimoramento das ações de formação de público iniciadas pelo Festival Panorama, em 2007. Por conta da escassez (e até inexistência) de atividades de dança nos equipamentos culturais das regiões Norte e Oeste do Rio de Janeiro, a avaliação apontou para a necessidade de um forte trabalho de formação de público e sensibilização para a dança nessas áreas.

Com três edições já realizadas (2009, 2010 e 2011), o projeto teve um público de aproximadamente 6.000 pessoas e envolveu mais de 50 instituições, entre ONGs, escolas e academias de dança. Inicialmente, consistiu na apresentação de espetáculos e performances e a realização de oficinas de dança contemporânea, com companhias e artistas cariocas, em teatros fora do trajeto Centro-Zona Sul da cidade, introduzindo este ano um novo formato.

Em todas as suas ações, busca promover a democratização do acesso, com atividades gratuitas ou a preços populares, tendo sua divulgação e realização permeadas por ações educacionais, que envolvem instituições locais e que garantem o acesso do público aos espetáculos. Este ano, também ofereceu uma bolsa-auxílio aos bailarinos participantes de cada criação, durante os três meses de ensaio.

O Entrando na Dança 2014 tem o patrocínio da SMC / Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro através do 1º Programa Fomento à Cultura Carioca.

NA REDE

Site oficial Entrando na Dança: www.entrando.panoramafestival.com
Canal do projeto no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCh_uQf7lHfFB5Y3KOPfo06w/videos
Facebook: https://www.facebook.com/entrandonadanca

A PROGRAMAÇÃO DIA A DIA

Dia 12 de setembro (sexta-feira)
Espetáculo: Estreia “Gueto (qual o ônibus que pego depois da rodoviária)”, de Charme
Horários: 15h e 20h
Coreógrafo: Sonia Destri Lie
Classificação: Livre
Duração: 28 min.
Local: Arena Carioca Fernando Torres (Rua Soares Caldeira, 115 – Parque Madureira)
Capacidade: 408 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 17 de setembro (quarta-feira)
Espetáculo: “Suave”, de Funk/Passinho
Horário: 20h
Coreógrafa: Alice Ripoll
Classificação: 12 anos
Duração: 50 min.
Local: Arena Carioca Jovelina Pérola Negra (Praça Ênio, s/n° – Pavuna)
Capacidade: 308 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 19 de setembro (sexta-feira)
Espetáculo: “Sob Rodas”, de Hip-hop
Horário: 20h
Coreógrafo: Renato Cruz
Classificação: 12 anos
Duração: 40 min.
Local: Arena Carioca Fernando Torres (Rua Soares Caldeira, 115 – Parque de Madureira)
Capacidade: 408 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 20 de setembro (sábado)
Espetáculo“Gueto (qual o ônibus que pego depois da rodoviária)”, de Charme
Horário: 19h
Coreógrafo: Sonia Destri Lie
Classificação: Livre
Duração: 28 min.
Local: Arena Carioca Jovelina Pérola Negra (Praça Ênio, s/n° – Pavuna)
Capacidade: 308 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 21 de setembro (domingo)
Espetáculo: “Gueto (qual o ônibus que pego depois da rodoviária)”, de Charme
Horário: 19h
Coreógrafo: Sonia Destri Lie
Classificação: Livre
Duração: 28 min.
Local: Arena Carioca Dicró (Parque Ary Barroso, s/n° – Penha)
Capacidade: 308 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 25 de setembro (quinta-feira)
Espetáculo: “Suave”, de Funk/Passinho
Horário: 20h
Coreógrafa: Alice Ripoll
Classificação: 12 anos
Duração: 50 min.
Local: Arena Carioca Fernando Torres (Rua Soares Caldeira, 115 – Parque Madureira)
Capacidade: 408 lugares
Ingressos: R$2,00

Dia 26 de setembro (sexta-feira)
Espetáculo: “Sob Rodas”, de Hip-hop
Horário: 20h
Coreógrafo: Renato Cruz
Classificação: 12 anos
Duração: 40 min.
Local: Arena Carioca Dicró (Parque Ary Barroso, s/n° – Penha)
Capacidade: 308 lugares
Ingressos: R$2,00

OS ESPETÁCULOS

Espetáculo: “Suave”
Inspiração: Passinho
Direção: Alice Ripoll
Interpretação: Gbzinho Dançarino Brabo, Nyandra Fernandes, Rodrigo Ninja Hattrick, Thamy Dançarina Braba, Sanderson dançarino brabo, Tiobil, Marcos Guedes, Romulo Galvão, Pablo Poison, Vnzin Elite da dança.

“Suave” é um espetáculo de Alice Ripoll, criado junto com dez jovens do projeto Entrando na Dança. No ritmo vibrante do funk e passinho, a apresentação fala sobre a fluidez que vibra, pulsa e move.

Espetáculo: “Gueto (qual o ônibus que pego depois da rodoviária)”
Inspiração: Charme
Direção: Sonia Destri Lie
Interpretação: B-girl Molek@, Eric Bordallo, Erson Cunha, Lucas Müller, Rafael Gomes, Tainã Santos, Victor Ribeiro, Wagner Cria, Weslley Sá, Camilla Simões.

Um projeto coletivo da coreógrafa Sonia Destri Lie com dez jovens selecionados pelo Projeto Entrando na Dança. O baile charme foi o ponto de partida para a coreografia, que foi criada com a seguinte questão: Onde cada um gostaria de chegar com sua dança?

Espetáculo: “Sob Rodas”
Inspiração: Hip-hop
Direção: Renato Cruz
Interpretação: B-girl Kawaii, Double L., Julio Molina, Rodrigo Guedes, Samir Santos, Strike, Wellington Tutty, Bboy training, Nycolas Siqueira

“Sob Rodas” é um espetáculo de Renato Cruz, criado junto com dez jovens selecionados pelo Entrando na Dança. No ritmo do hip-hop, a música “pancada” e a profusão de movimentos são pano de fundo para se pensar em pontos divergentes que se confundem: o velho com o novo, o homem com a mulher, o nordestino, o sulista, o nortista e o norte. “E qual é o norte?” é a pergunta de “Sob Rodas”.