Plataforma Internacional Estado da Dança

A Secretaria de Estado da Cultura promove a primeira Plataforma Internacional Estado da Dança, dentro do programa Plataformas Estado da Dança. Entre os dias 10 e 23 de outubro, o Teatro Sérgio Cardoso recebe a mostra inédita. Serão, ao todo, onze atrações a se apresentar durante 13 dias: cinco companhias da capital, quatro companhias de outros estados e duas atrações internacionais. Com essa programação, a Plataforma pretende formar plateias, além de debater sentidos da dança na sociedade contemporânea. Os ingressos para os espetáculos custam R$5,00 (meia-entrada) e R$10,00 (inteira). Na bilheteria do Teatro, ainda é possível comprar o pacote, que dá direto a assistir a todos os espetáculos, por R$25 (meia-entrada) e R$50,00 (inteira).

A mostra inova no país ao promover a coprodução de espetáculos inéditos. Durante o evento, dois espetáculos coproduzidos terão suas estreias no palco do Teatro Sérgio Cardoso. A Quasar Cia de Dança estreia no Singular. Já o paulistano radicado na Alemanha, Ismael Ivo, traz ao Brasil, pela primeira vez, Francis Bacon, também em coprodução com o evento. Essas obras poderão ser acompanhadas por deficientes visuais, com a implantação de áudiodescrições.

Ainda dentro da Plataforma, um dos destaques é o Projeto Educativo, que visa promover a reflexão sobre a arte da dança. Com a distribuição de material para professores, ONGs e fundações convidadas e a exibição de DVDs sobre as obras a serem apresentadas, pretende-se sensibilizar a plateia, levando-a a conhecer de forma específica cada espetáculo da mostra. Além disso, um video mapping histórico da dança paulista será projetado no teatro destacando personalidades que contribuíram para a criação e a consolidação de companhias modernas. Entre os homenageados estarão Marilena Ansaldi, Antônio Carlos Cardoso, Ivonice Satie, Marika Gidali e Décio Otero.

Programação – A São Paulo Cia de Dança abre a Plataforma na quarta-feira (10.10), às 21h. O balé clássico será representado no número Dois a Dois, que exibe dois famosos pas de deux do balé clássico, O Quebra Nozes e Dom Quixote, este último remontado por Tatiana Leskova. Ainda no mesmo dia, o clássico cede lugar ao contemporâneo nas obras Gnawa e Supernova. Também será possível assistir aos espetáculos na quinta-feira (11.10), às 20h30.

Na sexta-feira (12.10), às 21h, a companhia Quasar, de Goiânia, apresenta a estreia no Singular na Sala Sérgio Cardoso. Os goianos voltam às origens em criação que une humor e comunicação atual e contam com a participação de dois bailarinos paulistas convidados para dançar com eles. Ainda na sexta-feira, Pedro Salustiano apresenta Samba no Canavial, espetáculo do grupo pernambucano que estreia em São Paulo, na Sala Paschoal Carlos Magno.

Sábado (13.10), também é dia de estreia na Plataforma. Os cariocas da Márcia Millazes Cia. de Dança dançam Camélia no Foyer do Teatro Sérgio Cardoso, às 19h. Montado para ser encenado no Museu Ivan de Valência, o número chega pela primeira vez no eixo Rio-São Paulo. Nesse dia, também às 21h, é possível conferir o espetáculo no Singular que encerra participação na Plataforma.

O Mesmo Lugar de Sempre, espetáculo consagrado de Jorge Garcia, leva a solidão ao palco da Sala Paschoal Carlos Magno, no domingo (14.10), às 19h. No mesmo dia, Camélia despede-se do Foyer do Teatro, às 17h.

Na segunda-feira (15.10), às 21h, o tradicional Balé da Cidade de São Paulo apresenta o espetáculo Paraíso Perdido, no qual a dança se mistura às artes plásticas, pela obra do pintor flamengo Bosch, na Sala Sérgio Cardoso. Já na terça-feira (16.10), às 21h, a Incunábula Companhia traz o número Alfaiataria de Gestos de volta ao Teatro – a companhia foi um dos destaques da III Plataforma Estado da Dança realizada em junho desse ano.

Mais uma paulistana em terras estrangeiras, Márcia Barcellos, apresenta seu solo Les Chants de l’Umai em São Paulo, na quarta e quinta-feira (17 e 18.10), às 21h. O número multimídia, sucesso de crítica em Paris, é assinado pelo diretor Karl Biscuit.

Representante do debate entre cultura regional indígena e contemporânea, a companhia amazonense Indios.com Cia. De Dança se apresenta na Sala Paschoal Carlos Magno, na sexta-feira (19.10), às 21h. Eles levam ao palco o espetáculo Rastros Híbridos, que também estreia em São Paulo.

Um dos destaques da programação da Mostra, Francis Bacon, de Ismael Vivo é apresentado no palco da sala Sérgio Cardoso, no sábado (20.10), às 21h. Os paulistanos ainda terão mais uma chance de conferir a obra do coreógrafo, no domingo (21.10), às 19h.

Quem fecha o programa da Plataforma Internacional Estado da Dança são as companhias Sociedade Masculina &Studio 3, que apresentam Martha Graham – Memórias. A obra, que se inspira na vida da coreógrafa norte-americana, propõe leitura aberta de trajetória da artista e apresenta panorama da história da dança mundial. O espetáculo será apresentado na Sala Sérgio Cardoso, às 20h30, em horário específico para acolher escolas, ONGs e projetos sociais.

Pelo estado de São Paulo – A programação da Plataforma Internacional não se limitará à capital do Estado. Piracicaba, no interior de São Paulo, e Santos, no litoral, recebem espetáculos da mostra. Por meio da ação Plataforma Extendida, em parceria com a Secretaria de Cultura de Piracicaba, a Plataforma Internacional Estado da Dança vai levar à cidade a obra no Singular, da Quasar Companhia de Dança, o espetáculo estará no programa do III Piradança, festival anual de dança de Piracicaba, no domingo (14.10). Em parceria com o SESC São Paulo, Santos recebe dois dos mais aguardados espetáculos da mostra. Márcia Barcellos leva a obra Les Chants de l’Umai ao SESC Santos, no domingo (21.10), às 20h. Ismael Ivo também desce a serra e apresenta Francis Bacon, no mesmo SESC Santos, na sexta (26.10), às 21h.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

Quarta-Feira (10.10) e Quinta-Feira (11.10)
21h (10.10) e 20h30 (11.10) – Sala Sérgio Cardoso

Dois a Dois
São Paulo Cia. de Dança
Grand Pas de Deux de O Quebra Nozes (1892), 10 minutos, livre
O Grand Pas de Deux de O Quebra-Nozes é o ponto alto deste balé inspirado no conto O Quebra-Nozes e o Rei dos Ratos (1816), de E.T.A. Hoffmann. Nele, a Fada Açucarada dança com o Quebra- Nozes para homenagear a menina Clara, visita o Reino dos Doces.

Grand Pas de Deux de Dom Quixote (1869), 10 minutos, livre
Coreografado por Marius Petipa, Dom Quixote é baseado num capítulo da famosa obra de Miguel de Cervantes, que narra as aventuras do barbeiro Basílio e de seu amor por Kitri, a filha do taberneiro.

Gnawa, 23 minutos, livre
São Paulo Cia. de Dança
Gnawa é uma peça que utiliza os quatro elementos fundamentais: água, terra, fogo e ar para tratar da relação do ser humano com o universo, em que se apresenta o interesse do coreógrafo – Nacho Duato – pela gravidade e uso do solo na constituição de sua dança

Supernova (2009), 20 minutos, livre
Inspirado pela música de Antony & The Johnsons e no fenômeno astronômico das supernovas – estrelas que explodem e brilham no espaço por algum tempo – Marco Goecke criou esta obra em 2009 para a Scapino Ballet Rotterdam. Supernova é uma coreografia de contrastes, na qual morte e vida, escuro e claro, estão ligadas pela energia de cada corpo.

Sexta-Feira (12.10) e Sábado (13.10)
21h – Sala Sérgio Cardoso

no Singular, 90 minutos, classificação  livre
(este espetáculo conta com audio-descrição para deficientes visuais)

Quasar Companhia de Dança – Goiânia/GO
O trabalho, uma coprodução da companhia com a Plataforma Internacional Estado da Dança, propõe um diálogo sobre a comunicação contemporânea e as interações humanas em um mundo cada vez mais ágil e – quem sabe -, mais frágil, em que a memória humana tem sido colocada de lado em tempos de memória virtual.

Sexta-feira (12.10)
20h – Sala Paschoal Carlos Magno

Samba no Canavial, 50 minutos, 12 anos
Pedro Salustiano – Recife/PE

Samba no Canavial tem como ponto de partida o manancial da linhagem na qual Pedro Salustiano se insere. A diversidade dos folguedos nordestinos é o eixo central do espetáculo, que se baseia na dramaturgia corporal do seu intérprete, estabelecendo uma zona de conjunção de diferentes segmentos artísticos: dança, canto, música e a caracterização de figuras de brinquedos da região.

Sábado (13.10) e Domingo (14.10)
19h (13.10) e 17h (14.10) – Foyer

Camélia, 45 minutos, livre
Marcia Milhazes Companhia de Dança – Rio de Janeiro/RJ

A partir de convite para uma exposição sobre Arte Brasileira no Museu de Arte Contemporânea na Espanha, nasce esta nova obra, no bojo da proposta da coreógrafa, cujo trabalho trafega entre Artes Visuais, Literatura, Música, em “importantes feixes de pesquisa estética que desenvolvemos desde sempre”. Camélia apresenta, em seu desenho cênico, um desdobramento do cenário criado por Beatriz Milhazes a obra Tempo de Verão.

Domingo (14.10)
19h – Sala Paschoal Carlos Magno

O Mesmo Lugar de Sempre, 50 minutos, livre
Jorge Garcia Cia. De Dança

Quatro seres aprisionados em um espaço delimitado por sua própria estrutura, estando à espera de alguém ou alguma coisa. Utilizando-se de técnicas de dança contemporânea, capoeira de angola e Parkour, o espetáculo é inspirado na dramaturgia de Samuel Beckett, cujo ambiente árido e irreal explora o inconsciente do homem contemporâneo.

Segunda-feira (15.10)
21h – Sala Sérgio Cardoso

Paraíso Perdido, 50 minutos, 16 anos
Balé da Cidade de São Paulo
Tendo como ponto de referência as pinturas de Hieronymus Bosch (1450-1516), Paraíso Perdido mergulha no espetacular universo do pintor para se aproximar da voluptuosa sensação de prazer e sonho luminoso, assim como para encarar sensações de desespero, fúria e escuridão da natureza humana.

Terça-feira (16.10)
21h – Sala Paschoal Carlos Magno

Alfaiataria de Gestos, 50 minutos, 14 anos
Incunábula Companhia
Alfaiataria de Gestos é um espetáculo de dança contemporânea em intersecção com as artes visuais, sobretudo o desenho e a escultura. O lugar simbólico onde se passam os acontecimentos é o ateliê de um desenhista imerso em seu caótico processo de criação. A criação busca investigar e potencializar a capacidade que o homem tem de reinventar-se a todo instante.

Quarta-feira (17.10) e quinta-feira (18.10)
21h – Sala Sérgio Cardoso

Les Chants de l’Umai, 60 minutos, livre
Systéme Castafiori – A Companhia
Uma arqueologia imaginária que recorre aos mitos precedentes da noite. Antiga, a tal ponto de que ela não subsiste nenhum traço. A Utopia às avessas será nosso local verdadeiro. Para além do real, se ordenam as forças da ação poética perante a desesperança do mundo.

Sexta-feira (19.10)
21h – Sala Paschoal Carlos Magno

Rastros Híbridos, 40 minutos, 12 anos
Índios.com Cia de Dança – Manaus/AM
Rastros Híbridos parte de uma questão regional específica – ameríndios Kali’na da Guiana Francesa – para fomentar a discussão sobre as relações entre culturas. Pela obra ressalta-se os conflitos coletivos e pessoais oriundos destas trocas, buscando-se questionar de que forma o corpo ameríndio se insere e se relaciona no mundo e ao mesmo tempo propondo-se uma reflexão sobre a dinâmica identitária cultural dos seres humanos.

Sábado (20.10) e Domingo (21.10)
21h (20.10) e 19h (21.10) – Sala Sérgio Cardoso

Francis Bacon, 70 minutos, 16 anos
(este espetáculo conta com audio-descrição para deficientes visuais)
Companhia Ismael Ivo
Depois de dezesseis anos, a peça “Francis Bacon” retorna à Áustria, estreando no Brasil, em coprodução com a Plataforma Internacional Estado da Dança, pela dança africano-brasileira e Ismael Ivo estrelando sua principal parte. Vinte anos após a morte do genial artista inglês Francis Bacon, suas pinturas se tornaram icônicas. Delas, neste espetáculo vinte e uma delas são interpretadas em coreografias, confrontadas com a estridente música de Paolo Chagas.

Terça-feira (23.10)
20h30 – Sala Sérgio Cardoso

Martha Graham Memórias, 100 minutos, livre
Studio 3 Cia. De Dança e Cia. Sociedade Masculina
Numa criação inédita, as companhias de dança Sociedade Masculina e Studio3 apresentam Martha Graham Memórias, com direção de José Possi Neto. A obra inspira-se na trajetória da coreógrafa norte-americana Marta Graham – um dos mitos da história da dança moderna, a partir de seu livro auto-biográfico, “Memória do Sangue”.

Plataforma Internacional Estado da Dança
Realização: Governo de São Paulo

SERVIÇO

Teatro Sérgio Cardoso
Endereço: Rua Rui Barbosa, 153, Bela Vista (próximo à estação Brigadeiro do Metrô)
Tel.: (11) 3288-0136
Data: De 10 (quarta-feira) a 23.10 (terça-feira)
Número de Lugares: Sala Sérgio Cardoso (835); Sala Paschoal Carlos Magno (144); Foyer (150)
Bilheteria: quarta a domingo, das 15h às 19h (venda antecipada).
Ingressos para os espetáculos: 10 reais (inteira), 5 reais (meia entrada), a venda na bilheteria do Teatro e pelo site Ingresso Rápido: www.ingressorapido.com.br  (telefone: 4003-1212)
Pacote (que dá direito a assistir a todos os espetáculos da Plataforma): 50 reais (inteira), 25 reais (meia entrada),  vendas somente na bilheteria do Teatro
*Espetáculo Camélia tem entrada franca, os ingressos devem ser retirados na bilheteria, uma hora antes do início do espetáculo

SESC Santos
Domingo (21.10) – Les Chants de l’Umai, às 20h
Sexta-feira (26.10) – Francis Bacon, às 21h
Endereço: Rua Conselheiro Ribas, 136 – Bairro de Aparecida – Santos – SP
Telefone: (13) 3278-9800
Bilheteria: De terça a sexta-feira, das 9h às 21h30
Ingressos: 16 reais (inteira), 8 reais (usuário inscrito no SESC e dependentes, maiores de 60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante)

III Festival de Dança de Piracicaba
Domingo (14.10) – no Singular, às 20h
Endereço: Avenida Independência, 277 – Piracicaba – SP
Tel.: (19) 3433-4952
Ingressos: Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados no local com duas horas de antecedência (um par de ingressos por pessoa)

Fonte: Assessoria de imprensa – SEC
Data: 10/10/2012