Núcleo Mercearias de Ideias estreia Quatorze cenas para um desencontro possível

mercearia-de-ideias_14-cenas-para-um-possvel-desencontro-foto-clarissa-lambert_m
Foto: Clarissa Lambert

Quatorze cenas para um desencontro possível é um espetáculo que celebra os 7 anos do Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideais, com únicas apresentações entre 25 e 27 de outubro, no Teatro Sérgio Cardoso. Seu elenco reúne 18 bailarinos, com diferentes formações e orientações artísticas, e o trabalho, cheio de humor e de verdade, tem a dança como principal articulador da relação entre as pessoas.

“O espetáculo tem um mote de baile no ar, com essa galera que se dispôs a estar junto por um tempo: alguns são bailarinos profissionais, outros aspirantes, uns mais tradicionais, outros menos, um encontro de diferentes. Para além dos atributos articulados à dança, há diferenças de gênero, etnia, orientação sexual, escolaridade, financeira, localidade de moradia, enfim, é um grupo absolutamente heterogêneo”, afirma Luiz Fernando Bongiovanni.

O aspecto de depoimento e de construção de uma dança pessoal é uma questão fundamental que norteia a maior parte da pesquisa e da construção do espetáculo. Com isso o Quatorze cenas também se revela um dispositivo que estimula um conhecimento de si mesmo.

O trabalho também serviu como laboratório para um modo de existir que fosse alternativo ao modo tradicional, dependente de editais. “As políticas públicas na área das artes avançaram e continuam a avançar, o que é um grande incentivo para o desenvolvimento da nossa área. Se não for por esse caminho, o que é possível fazer? Como um grupo de artistas pode se organizar para fazer um espetaculo?”

O primeiro passo, mais fundamental, foi verificar quem estaria disposto a trabalhar sem remuneração financeira direta. Quem estaria disposto a investir seu tempo no desenvolvimento de um trabalho com uma remuneração diferente daquela tradicional: dinheiro.

O resultado da aventura é este espetáculo, que tem como tema a celebração do encontro fortuito que o destino nos proporcionou.

LUIZ FERNANDO BONGIOVANNI

Luiz Fernando Bongiovanni é bailarino há mais de vinte anos, metade deles passados na Europa – Cullberg Ballet e Ballet da Ópera de Gotemburgo, ambos na Suécia; Scapino Ballet, em Roterdã, na Holanda, e no Ballet da Ópera de Zurique, na Suíça. Desde que retornou ao Brasil, em 2004, trabalha na coordenação de projetos culturais, na execução de oficinas de improvisação e de composição e como coreógrafo em companhias nacionais, como Balé da Cidade de São Paulo, Cia Jovem do Bolshoi, São Paulo Companhia de Dança, Balé Teatro Guaíra, Balé Teatro Castro Alves, Balé da Cidade de Niterói e Corpo de Baile Jovem do Theatro Municipal; e internacionais, Ballett Hagen e Ballett im Revier (Alemanha). Também trabalhou como coreógrafo das óperas Sansão e Dalila, Ariadne em Naxos, O Menino e os Sortilégios e Ça Ira, no Teatro Municipal de São Paulo.

Desenvolve trabalhos pedagógicos de Improvisação e Composição para bailarinos em formação livre e universitários, na UNICAMP, onde trabalhou por dois períodos, como artista residente e professor especialista convidado e hoje desenvolve sua pesquisa de Mestrado. Também foi professor na Universidade Anhembi-Morumbi, no curso de extensão. É diretor e coreógrafo do Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias.

NÚCLEO DE PESQUISA MERCEARIA DE IDEIAS

O Núcleo surgiu em 2009, quando o diretor e coreógrafo Luiz Fernando Bongiovanni ainda fazia parte do corpo do Balé da Cidade de São Paulo, com vocação para a pesquisa em dança. Desde então, a colaboração entre coreógrafo e bailarinos é fluente e contínua. “No meu trabalho, trago o respeito pelo artista. O respeito pela sua inteligência e sua sensibilidade. Os artistas com quem quero trabalhar, seja no Mercearia, seja em companhias que me convidam, são artistas colaboradores”, revela Bongiovanni.

A partir de temas sugeridos, o grupo se lança a encontrar caminhos para trazer isso para a cena, como o universo feminino, caso de As Filhas de Bernarda, trabalho de 2009, ou a memória e a morte, questões vistas em Nossos Sapatos (2013). “Desenvolvi e venho trabalhando e aperfeiçoando um modo de trabalho que instiga, estimula, cutuca, provoca. Dessa forma, sinto que os artistas podem dar vazão ao seu talento criativo.”

Paralelamente à pesquisa, outra característica do grupo é a movimentação desenvolvida por Bongiovanni. Partindo de improvisações, Luiz Fernando trabalha a desconstrução de modos tradicionais de movimento e busca novas organizações do corpo. A partir disso, a criação valoriza as descobertas e possibilidades de cada intérprete dentro das propostas de criação específicas e das ferramentas de improvisação. O Núcleo já foi premiado com o Proac, da Secretaria de Estado da Cultura, e o Fomento à Dança, da Secretaria Municipal de Cultura, e em seu repertório contam As Filhas de Bernarda Alba (2009), Micro-Biografias Visíveis (2012), Nossos Sapatos (2013) e Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas (2016).

SERVIÇO

Quatorze cenas para um desencontro possível
Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias
De 25 a 27 de outubro de 2016
Terça a quinta-feira, 21h
Local: Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlo Magno
Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo/SP
Ingressos: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia-entrada)