Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias faz temporada com o espetáculo Breve Compêndio para Pequenas Felicidades

Mercearia de ideias_breve compendio

Para criar seu Breve Compêndio para Pequenas Felicidades, o Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias, dirigido por Luiz Fernando Bongiovanni, resolveu conversar. A ideia fundamental foi trocar experiências entre os integrantes do grupo e se perguntar, por várias perspectivas, o que traz a felicidade? Desacelerar, escolher, relacionar, pertencer, acolher, tocar, são algumas ações que apareceram nas discussões que o grupo realizou.

Qual é a felicidade, ainda que efêmera, que dá sentido à vida? A partir dessa indagação, o grupo também se pôs a pensar quais os obstáculos e impedimentos que nos atravessam? O espetáculo estreia em março, em três diferentes espaços de São Paulo, e foge do senso comum ao trabalhar a individualidade de cada intérprete e sua própria relação com o tema. Mostra, assim, que não é preciso sorrir para ser feliz. A entrada é gratuita e a ação integra o Fomento à Dança, edital do município de São Paulo.

“Optamos por fazer uma reflexão que não parte do senso comum sobre a felicidade geral, associada, na maior parte do tempo, ao amor, à saúde, aos bens materiais, mas um outro tipo de felicidade, aquela que cada pessoa descobre individualmente e nutre ao longo da vida. A felicidade que habita os instantes, as frestas, as passagens”, fala o coreógrafo, que contou com a colaboração do elenco para a criação da obra.

“A pesquisa parte de vivências e experiências de cada artista, como cada um busca a felicidade e quais os entraves que encontra, a partir daí, elaboramos uma lista, um breve compêndio, que apresenta no âmbito cênico uma manifestação”.

O espetáculo, que estreia no dia 3 de março na Sala Paissandu, na Galeria Olido, e depois passa pelo Teatro Alfredo Mesquita e Teatro Flavio Império, também traz para cena a ambiguidade que algumas situações podem apresentar. “É no binômio, felicidade e obstáculos, que o espetáculo se desdobra. Trabalhamos, por exemplo, o tempo a partir da ideia de velocidade, da pressa, do tempo imaginado, do medo, do receio, da ansiedade, mas também das pequenas gentilezas, do tempo de cada um, do direito à fala de cada indivíduo, do acolhimento, do que cabe dentro de um abraço”, revela o coreógrafo.

O processo de trabalho do Núcleo para o desenvolvimento dessa nova obra durou aproximadamente oito meses. “A partir de provocações, cada um dos sete bailarinos foi percebendo o que seria o assunto de um possível solo, depois esse material era tensionado e uma organização a quatro mãos (e pés!) era proposta. Todos solos se encaixam num item da lista que seria o direto à própria voz, a voz que existe naquele momento.”

Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas tem figurinos da bailarina Nayara Saez, cenografia de Oswaldo Lioi, cuja concepção modifica o espaço cênico: projeta, releva e esconde o bailarino; iluminação de Lígia Chaim, projeções de Binho Dias e Osmar Zampieri e e trilha composta por Sérgio Soffiatti. As fotos são de Clarissa Lambert e a produção da Corpo Rastreado.

LUIZ FERNANDO BONGIOVANNI

Luiz Fernando Bongiovanni é bailarino há mais de vinte anos, metade deles passados na Europa – Cullberg Ballet e Ballet da Ópera de Gotemburgo, ambos na Suécia; Scapino Ballet, em Roterdã, na Holanda, e no Ballet da Ópera de Zurique, na Suíça. Desde que retornou ao Brasil, em 2004, trabalha na coordenação de projetos culturais, na execução de oficinas de improvisação e de composição e como coreógrafo em companhias nacionais, como Balé da Cidade de São Paulo, Cia Jovem do Bolshoi, São Paulo Companhia de Dança, Balé Teatro Guaíra, Balé Teatro Castro Alves, Balé da Cidade de Niterói e Corpo de Baile Jovem do Theatro Municipal; e internacionais, Ballett Hagen e Ballett im Revier (Alemanha). Também trabalhou como coreógrafo das óperas Sansão e Dalila, Ariadne em Naxos, O Menino e os Sortilégios e Ça Ira, no Teatro Municipal de São Paulo. Desenvolve trabalhos pedagógicos de Improvisação e Composição para bailarinos em formação livre e universitários, na UNICAMP, onde trabalhou por dois períodos, como artista residente e professor especialista convidado e hoje desenvolve sua pesquisa de Mestrado. Também foi professor na Universidade Anhembi-Morumbi, no curso de extensão. É diretor e coreógrafo do Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias.

NÚCLEO DE PESQUISA MERCEARIA DE IDEIAS

O Núcleo surgiu em 2009, quando o diretor e coreógrafo Luiz Fernando Bongiovanni ainda fazia parte do corpo do Balé da Cidade de São Paulo, com vocação para a pesquisa em dança. Desde então, a colaboração entre coreógrafo e bailarinos é fluente e contínua. “No meu trabalho, trago o respeito pelo artista. O respeito pela sua inteligência e sua sensibilidade. Os artistas com quem quero trabalhar, seja no Mercearia, seja em companhias que me convidam, são artistas colaboradores”, revela Bongiovanni.

A partir de temas sugeridos, o grupo se lança a encontrar caminhos para trazer isso para a cena, como o universo feminino, caso de As Filhas de Bernarda, trabalho de 2009, ou a memória e a morte, questões vistas em Nossos Sapatos (2013). “Desenvolvi e venho trabalhando e aperfeiçoando um modo de trabalho que instiga, estimula, cutuca, provoca. Dessa forma, sinto que os artistas podem dar vazão ao seu talento criativo.”

Paralelamente à pesquisa, outra característica do grupo é a movimentação desenvolvida por Bongiovanni. Partindo de improvisações, Luiz Fernando trabalha a desconstrução de modos tradicionais de movimento e busca novas organizações do corpo. A partir disso, a criação valoriza as descobertas e possibilidades de cada intérprete dentro das propostas de criação específicas e das ferramentas de improvisação. O Núcleo já foi premiado com o Proac, da Secretaria de Estado da Cultura, e o Fomento à Dança, da Secretaria Municipal de Cultura, e em seu repertório contam As Filhas de Bernarda Alba (2009), Micro-Biografias Visíveis (2012), Nossos Sapatos (2013) e Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas (2016).

SERVIÇO

Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas
Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias
Temporada de 03 a 27 de março
Todos os espetáculos tem entrada gratuita

De 3 a 13 de março de 2016
Quintas, sextas e sábados, às 20h e domingos, às 19h.
Galeria Olido – Sala Paissandu
Avenida São João, 473 – Centro – São Paulo/SP

De 18 a 20 de março de 2016
Sexta e sábado, às 21h e domingo, às 19h
Teatro Alfredo Mesquita
Avenida Santos Dumont, 1770 – Santana – São Paulo/SP

De 25 a 27 de março de 2016
Sexta e sábado, às 20h e domingo, às 19h
Teatro Flavio Império
Rua Professor Alves Pedroso, 600 – Cangaíba – São Paulo/SP

Deixe uma resposta