Mostra do Fomento à Dança chega a sua 10ª edição e dialoga com a cidade nos seus vários territórios

mostra-do-fomento-a-danca-2016_cia-fragmento-nuvens-insetos-foto-leo-lin
Cia Fragmento | Nuvens Insetos | Foto: Leo Lin

A 10ª edição da Mostra celebra os 10 anos de implantação do Programa Municipal de Fomento à Dança percorrendo um caminho de aproximação, trocas, afetos e desdobramentos entre diferentes percursos, numa rede de interações e articulações, que aponta para outros modos de se relacionar artisticamente com a cidade.

Entre 5 e 22 de outubro, São Paulo recebe a X Mostra do Fomento à Dança. Ao todo, 34 núcleos artísticos, mais um grupo convidado de cada uma das quatro regiões da cidade, se unem em uma maratona de 32 espetáculos e intervenções urbanas, oficinas, sessões de vídeodança, JAMs, lançamento de livro, exposição, rodas de conversa e a realização do I Encontro Latino-Americano de Gestores de Dança – Identidades e Estratégias de Cooperação.

Dois conceitos marcam esta Mostra: a ideia de encontro e de desdobramento. Por isso, para além de apresentar trabalhos desenvolvidos pelos núcleos artísticos contemplados nas últimas quatro edições do programa, que tornou-se símbolo da mobilização da classe artística pela conquista de uma lei municipal, em 2005, de apoio à produção e manutenção de companhias sediadas na Capital, a programação se dá em diálogo com a dança que se faz na cidade, em seus vários territórios, como acontecimento, manifestação poética, política e celebração.

A abertura, no dia 5, às 19h, no Saguão de entrada do Centro Cultural Olido, já sinaliza esse desejo de acontecimento: artistas da dança e de outras linguagens – teatro, música, literatura, videoarte – promovem intervenções, performances, ações coletivas simultâneas e uma vasta distribuição de material impresso, como o jornal “Jet Lagged”, do Núcleo Mirada, ou a Revista “Murro em Ponta de Faca”, da Cia Carne Agonizante.

Na primeira semana, a programação se desloca do Centro para os quatro cantos da cidade. Na Zona Leste, a Mostra acontece no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, dentro da “Conversa que roda”, um espaço para ouvir, falar e compor uma perspectiva da história da dança de resistência periférica na Zona Leste. Além de mostras de processo e compartilhamento de experiências e práticas de grupos da região, o Cidade Tiradentes abriga ainda dois espetáculos: “Girar”, do Batakerê, e “Sob a Pele”, do TF Style.

Na Zona Sul, as ações e apresentações se distribuem pela Estação Capão Redondo, Casa Amarela, Praça Jardim Miriam, Real Parque e CEU Campo Limpo. A Fragmento Urbano circula com a intervenção “Encruzilhada” por todos eles. Ainda na Zona Sul, a Casa de Cultura M’Boi Mirim recebe outras duas intervenções: “Breves Partituras para Muitas Calçadas”, do Largatixa na Janela, e “Por que Danço?”, manifesto poético do Grupo Diversidança.

O Tendal da Lapa, que apresenta “Nuvens Insetos”, da Cia Fragmento de Dança, e “Sob os Olhos de Oyá”, do grupo Ojú Oya; o Espaço Caleidos, com “Mairto”, do Caleidos Cia; e a Sede da Cia Brasílica, com a JAM “As Melhores Coisas da Vida não são Coisas”, formam o tripé da Zona Oeste. E o Teatro Alfredo Mesquita capitaneia os espetáculos que acontecem na Zona Norte – “Cisza (II de IV)”, da Com(som)antes Cia de Arte, “Ensaio sobre as Pequenas Distâncias, Estudo para o Infinito #1”, com a Cia Silvia Geraldi, e “Bananas 15”, do Núcleo Artérias. Batakerê; Diversidança, Com(som)antes e Ojú Oya foram os grupos das quatro regiões convidados para integrar o evento.

Nas duas semanas que seguem, a Mostra se concentra no triângulo desenhado pelo Centro Cultural Olido, Praça das Artes e Centro de Referência da Dança, além do Centro Cultural São Paulo, que abriga o Fórum – “Diversidade, um Direito de Cidadania”, proposto pela Cia Dança Sem Fronteiras, e o espetáculo “Devolve 2 horas de minha vida”, do projeto Mov_ola.

No Centro Cultural Olido se apresentam nove núcleos artísticos: Mirada (Ostrossauro), Tanteatro (Artaud, Le Mômo), Fragmento de Dança (Um Corpo Só), Marcos Sobrinho (Um Poema Para Carmem), Núcleo de Improvisação (Exercícios Compartilhados), Cia Brasílica (Brasílica Extemporâneo), Omstrab (Fluxos Invisíveis), Dança Sem Fronteiras (Olhar De Neblina) e Núcleo EntreTanto (Uma Coisa Muda).

A Praça das Artes apresenta trabalhos nas tardes das duas quintas-feiras (13 e 20): “Abissal”, da Insaio Cia De Arte, e “Um moço muito branco – Experimentos Primeiras Estórias”, da Silenciosas + Gt’ame.

Onze espetáculos – “Tupiliques” ( Repentistas do Corpo), “Cartas Individuais – Exercício Poético sobre Imagem em Movimento” (Marcos Moraes), “Movimento para um Homem Só” (Perversos Polimorfos), “Beija Minha Mão” (Cia Danças Cláudia de Souza), “Blue” (E2 Cia), “Procedimento Dois para Lugar Nenhum” (Vera Sala), “Para Todos Os Seguintes” (key zetta e cia), “Coreô (Caleidos), “Desmonte (Juliana Moraes) e “Não Te Abandono Mais, Morro Contigo” (Cia Carne Agonizante) – e mais quatro intervenções urbanas – “Esculturas Breves” (Musicanoar), “Ultrapássaros” (…AVOA! Núcleo Artístico), “Dança por correio” (Zumb.boys) e “Puntear” (Damas em Trânsito e os Bucaneiros) – são acolhidos no Centro de Referência da Dança.

O CRD também sedia o I Encontro Latino-Americano de Gestores de Dança – Mobilidade, Identidades e Estratégias de Cooperação, que tem como objetivo aproximar e integrar as redes existentes de intercâmbio e circulação de artistas e obras na América Latina. O Encontro, que acontece de 18 a 22 de outubro, já tem confirmada a participação de representantes da Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile, Colômbia, Venezuela, México e Equador, além de 14 estados do Brasil e várias cidades do interior e região metropolitana de São Paulo.

Na sequência do encerramento do Encontro Latino-Americano de Gestores da Dança, começa, às 19h, na Praça das Artes, a última ação da Mostra – Ensaios Perversos, da Cia Perversos Polimorfos –, que acontece em três momentos independentes: “Conversas Sem Fim”, com um convidado para falar sobre políticas culturais, seguida de “Preliminares”, onde artistas apresentam trabalhos prestes a estrear, e o “Dance Floor, que fecha a X Mostra com um DJ convidado para aquecer a pista de dança até à meia-noite.

X Mostra do Fomento à Dança foi organizada por meio de um processo colaborativo de construção coletiva entre a Secretaria Municipal de Cultura e os 34 núcleos artísticos participantes.

Confira a programação completa no site https://www.fomentoadanca.blogspot.com.br

PROGRAMAÇÃO DA 1ª SEMANA
De 05 a 09 de outubro

5/10, QUARTA

19h – Centro Cultural Olido – Saguão. Centro
Abertura

A ação, que acontece no térreo do Centro Cultural Olido, conta com a participação de vários artistas em intervenções e performances artísticas simultâneas, além de exibição de vídeos. Ao final, distribuição de material impresso, como o jornal “Jet Lagged”, do Núcleo Mirada, ou a Revista “Murro em Ponta de Faca”, da Carne Agonizante, entre outras publicações realizadas por núcleos contemplados nas últimas quatro edições do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo (17º ao 20º).

6/10, QUINTA

16h – Casa Amarela. Z. Sul
Encruzilhada (Intervenção urbana) – Fragmento Urbano

“Encruzilhada” traz à tona uma discussão sobre a atualidade, a ressignificação da ancestralidade, os espaços urbanos e as relações sociais que os permeiam. Ao resgatar manifestações populares que fazem parte de uma memória coletiva pouco celebrada e apresentá-las como recriações contemporâneas em zonas periféricas, o grupo propõe um ato de resistência – do(a) negro(a), da periferia, dos grandes mestres da cultura popular e do Hip Hop pouco reconhecidos.

Direção Douglas Iesus | Elenco Anelise Mayumi, Douglas Iesus, Juliana Sanso, Luan Afonso de Assis, Tiago Silva | Produção Diego Castro

Duração: 55 min | Classificação indicativa: Livre.

20h – CEU Campo Limpo. Z. Sul
Brasílica Extemporâneo – Cia Brasílica

O trabalho trata da abordagem das danças de matriz popular como base de criação cênica e fonte primordial de expressão artística. Busca a reflexão sobre a experiência humana como ponto principal de diferenciação entre as pessoas, olhando para os fatos e situações de uma vida como fatores de transformação dos modos de agir e reagir diante do mundo e de perceber as relações interpessoais.

Projeto contemplado pelo 19º Fomento à Dança.

Concepção Lucila Poppi | Direção Deca Madureira | Intérpretes-criadores Lucila Poppi, Deca Madureira, Elson Leite, Jo Gomes, Mariane Oliveira e Lucimeire Monteiro | Trilha sonora e músicas originais Adriano Salhab | Figurino Gustavo Silvestre | Ilustrações Guinho Nascimento | Concepção cenográfica e criação de luz Cia Brasílica | Técnicos de luz e som Márcio Peres e Adriano Salhab | Produção geral Lucila Poppi | Produção executiva Márcio Peres
www.artebrasilica.blogspot.com

Duração 55 min | Classificação indicativa Livre.

7/10, SEXTA

16h – Estação Capão Redondo. Z. Sul
Encruzilhada (Intervenção urbana) – Fragmento Urbano

19h às 22h – Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes. Z. Leste
19h – Conversa que roda: “Dança e Memória: A Zona Leste no centro da história”

A roda de conversa propõe um espaço para ouvir, falar e compor uma perspectiva da história da dança de resistência periférica na Zona Leste.

Falas Pedro Peu (Grupo Batakerê), Morgana Souza, Fernando Ferraz | Mediação Fragmento Urbano

Duração 2 horas | Público aberto aos interessados

20h40 – Cubo Tóxico – Cia Fusos (mostra de processo)

“Cubo Tóxico” foca em questões ambientais que afetam a população, como a poluição dos rios e córregos, com o desejo de fazer refletir e contribuir para uma mudança no coletivo.

20h50 – Relações Adversas – Dois Rumos Cia. de Dança – Intervenção

“Relações Adversas” se constrói a partir da observação das ações do corpo no ambiente urbano, transformado pelo uso exacerbado da tecnologia.

21h – Girar – Batakerê

“Girar” é fruto das pesquisas realizadas pelo grupo Batakerê, inspirado nas manifestações afro-brasileiras Capoeira Angola, Jongo, Tambor de Crioula e Samba de Roda. As cenas desenrolam-se a partir do encontro de quatro amigos para jogar capoeira e relembrar as manifestações populares vividas nos giros e andanças por esse mundo afora..

Grupo convidado para integrar a programação da Mostra na Zona Leste.

Dançarinos Pedro Peu, Yasmin Ribeiro, Edson Jacaré | Musicista Dominique Vieira
https://www.facebook.com/grupo.batakere?fref=ts

Duração 60 min | Classificação indicativa Livre.

20h – Núcleo Brasílica de Expressão Artística. Z.Oeste
As Melhores Coisas da Vida não são Coisas – JAM Brasílica

A JAM é baseada nos processos disparadores para a criação do novo espetáculo da Cia, “Brasílica Extemporâneo”, e aborda a ideia de que a sequência dos acontecimentos em uma vida, o tempo em que acontecem – amor, perda, conquista, frustração, morte – influenciam o modo de ver e agir do indivíduo.

Direção Deca Madureira | Dança Deca Madureira, Elson Leite, Jo Gomes, Lucila Poppi, Lucimeire Monteiro, Mariane Oliveira | Músicos Adriano Salhab e Deca Madureira | Ilustrador Guinho Nascimento | Produção Lucila Poppi | Assistente de produção Márcio Peres

Duração 45 min | Classificação indicativa Livre.

21h – Teatro Alfredo Mesquita. Zona Norte
Ensaio sobre as Pequenas Distâncias, Estudo para o Infinito #1 – abertura de processo criativo
Cia Silvia Geraldi

Pequenas histórias do dia-a-dia. De proximidade e distanciamento. Que nos ligam a pessoas, mas também a um território, cidade. Ambiente partilhado com outros. Histórias de lugares que se tornam histórias pessoais. Grafias da cidade no corpo. Pedaços de memória. Corpo que se cristaliza em espaço. Espaço de ação. Do perigo de se contar uma única história.

Coordenação geral Silvia Geraldi e Marisa Lambert | Criação e interpretação Marisa Lambert e Silvia Geraldi | Artista colaboradora Angela Nolf | Preparação corporal e assistência Cora Laszlo | Trilha Sonora Luiz Henrique Xavier | Figurino Joana Porto | Projeto de luz André Boll | Produção Cristiane Klein – Dionísio Produção

Duração 40 min | Classificação indicativa Livre.

7, 8 e 9/10, sexta, sábado e domingo

20h – Espaço Caleidos. Zona Oeste
Mairto – Caleidos Cia de Dança

Disparado por uma notícia de jornal, o espetáculo “Mairto” discute a violência contra a homossexualidade na cultura do macho. Trabalhando na interface entre a poesia e a dança, o trabalho expõe as entrelinhas da notícia de um crime: o assassinato de um homossexual. Com poemas ao vivo, a encenação de dança remete aos eventos de boxe e MMA. Cada cena-round é um jogo coreográfico que convida o público a refletir sobre a questão da violência contra os afetos na cultura do macho.

Mostra Caleidos 20 Anos – 18º Fomento à Dança

Direção Isabel Marques | Codireção e dramaturgia Fábio Brazil | Elenco Nigel Anderson, Edu Mansu, Jaílson Rodriguez, Renata Baima, Kátia Oyama, Ágata Cérgole e Felipe Lwe (estagiário) | Música Nigel Anderson e Fábio Brazil | Poemas e declamação Fábio Brazil | Preparo corporal Ana Paula Mastrodi | Iluminação Rafael Lemos | Produção Mobilis Ltda – ME

Duração 45 min | Classificação indicativa Livre.

8/10, sábado

14h – Casa de Cultura M´Boi Mirim (Zona Sul)
Breves Partituras para Muitas Calçadas – Lagatixa na Janela

A calçada é um universo, um território cheio de paisagens, de objetos e modos de estar…
A calçada é mar? É rio? É córrego? É quintal? A calçada ficava à beira de uma criança…
A calçada é casa, é cama, mesa, jardim, cadeira, sala, banheiro, teatro, lojinha, sala de dança, lugar de brincar, espaço de ir e vir, de esperar, de encontrar, de se despedir…
A calçada é uma margem de uma ilha chamada quarteirão…

Direção Artística Uxa Xavier I Performers Aline Bonamin, Barbara Schil, Suzana Bayona, Tatiana Cotrim e Thais Ushirobira I Produção Ação Cênica Produções Artísticas

Duração 40 min | Classificação indicativa Livre.

15h – Casa de Cultura M´Boi Mirim (Zona Sul)
Por que Danço? (Manifesto Poético) – Grupo Diversidança

“Por que Danço?” é a primeira intervenção do projeto “Ensaios Cartográficos”, realizado pela Cia Diversidança, por meio de site specific. O Manifesto Poético reuniu depoimentos de diversos artistas da dança, que relataram parte de suas histórias dentro de um contexto político-social. Entrelaçados com os dos próprios integrantes, seus relatos servem de ignição para que os transeuntes/espectadores possam compartilhar seus modos de ser, sentir e pensar a dança.

Grupo convidado para integrar a programação da Mostra na Zona Sul.

Direção geral e artística Rodrigo Cândido | Assistência de direção artística Rosângela Alves | Concepção e criação artística Rodrigo Cândido | Intérpretes-pesquisadores Alessandro Saldanha, Felipe Santana, Iliandra Peluso, Marcio Vitorino, Rodrigo Cândido, Rosângela Alves e Vinicius Borges | Trilha sonora original EdIT e Tosca Suzuki | Edição da trilha sonora Rodrigo Cândido | Sonoplastia Guilherme Moreira | Figurino e customização: Diversidança | Depoimentos Ana Bottosso, Andrea Soares, Andrey Alves, Cléia Varges, Cleber Vieira, Lucimeire Monteiro, Ivan Bernardelli, Pedro Costa, Priscila Maria Magalhães, Nany Oliveira, Roni Diniz, Sandro Borelli, Valeria Ribeiro, Vaneri Oliveira e Vinicius Francês.
www.ciadiversidanca.wordpress.com

Duração 45 min | Classificação indicativa Livre.

16h – Praça Jardim Miriam. Zona Sul
Encruzilhada (Intervenção Urbana) – Fragmento Urbano

19h – Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes. Zona Leste

A História da Dança que se faz hoje
Mostra de processos e compartilhamento de experiências e práticas de grupos e artistas da Zona Leste – Teatro e Áreas externas do CFCCT

Ca.Ja: float – in – Degustação para uma dança
Mostra de jogo cênico que envolve o improviso dentro das investigações da cia para criação

Coletivo Calcâneos – O Poder do Discurso
Mostra de processo dos estudos de discurso histórico que o coletivo vem realizando e conversa sobre o tema: O Poder do Discurso.

Coletivo Ieee – Eterno Suspeito
A pesquisa coletiva do grupo tem a intenção de relatar corporalmente um estado de subversão do jovem da periferia, que traz consigo uma estética marginalizada pela sociedade.

Coletivo Válvula – Linha de Fuga
Compartilhamento do processo do espetáculo que associa o pensamento de Guilles Deleuze para falar da vida cotidiana

Com[som]antes Cia de Arte – “CiSZa” – desdobramento, parte 1
Compartilhamento do processo de desdobramento da obra ‘CiSZa’, parte 1 de 4, que fala dos silêncios

Grupo Ximbra – Movimento em Verso
Poetas e Dançarinos criam um hibridismo entre dança e literatura, pondo em movimento e poesia a memória social periférica.

20h – Tendal da Lapa. Zona Oeste
Nuvens Insetos – Cia Fragmento de Dança

“Nuvens Insetos” se inspira nos afetos que provocam uma “última carta”. Cartas de ruptura. Cartas de despedida. Cartas suicidas. Em 2011, a Cia abordou os passantes do Centro Cultural São Paulo e coletou cartas a partir da seguinte pergunta: “o que você escreveria se fosse sua última carta?”. Em 2016, refizeram a pergunta, dessa vez, na Praça da Sé. O contexto e a época possibilitaram experiências diversas, mas há, em comum, pedidos de desculpa, saudade, histórias interrompidas. A criação reflete sobre o conteúdo dessas cartas e também sobre formas de comunicação, num tempo marcado pelo mundo virtual e pela carência de relações presenciais. Real e ficcional se misturam, buscando formas de se encontrar no outro e de encontrar o outro em si.

Coreografia e Direção Vanessa Macedo | Assistência de coreografia Maitê Molnar | Intérpretes Chico Rosa, Daniela Moraes, Diego Hazan, Flavia Tiemi, Maitê Molnar e Vanessa Macedo | Colaboração artística Angela Nolf | Colaboração – Linguagem De Libras Caio Graneiro | Preparação Corporal José Ricardo Tomaselli (Clássico) e Vanessa Macedo (Contemporâneo) | Luz André Prado | Trilha Gustavo Domingues | Cenografia e figurino Cia Fragmento De Dança | Produção Margarida Sequeira Duarte
www.ciafragmentodedanca.com.br

Duração 45 min | Classificação indicativa Livre.

21h – Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes. Zona Leste
Sob a Pele – TF Style

Existo. E, na pele, minha existência concretiza-se em constante relação entre corpo e ambiente, corpo e cidade. Navalha que corta todos os dias, deixa rastros na pele e traz, veladamente, suas marcas enrugadas pelo tempo. Maior órgão do corpo humano, local do toque, da pressão, da sensibilidade, do suor, do cheiro, do prazer… A pele, relicário sagrado, clausura terrificante. Na pele, uma impressão digital que constitui este ser. Mas quem sou? Esta obra busca refletir sobre as várias percepções sentidas profundamente sob a pele.

Direção geral e concepção Igor Gasparini | Direção artística Frank Tavantti | Provocações Isis Gasparini, Robson Ferraz e Thiago Alixandre | Elenco: Arthur Alves, Bruna Sant’Anna, Helon Hori, Igor Gasparini, Isis Gasparini, Luiz Paulo Cordeiro, Marcia Marcos, Marcos Werneck, Mayara Rosa e Natália Moura | Desenho de luz Gabi Araújo | Iluminação Natália Peixoto | Figurinos David Schumaker | Produção Jéssica Alonso
www.tfstyle.com.br

Duração 50 min | Classificação indicativa 14 anos

21h – Teatro Alfredo Mesquita. Zona Norte

Bananas 15 – Núcleo Artérias

Em “Bananas 15”, o Núcleo Artérias investigou construtos de gênero por meio da exploração de imaginários e desejos considerados exclusivamente masculinos. O trabalho expõe a reiteração do gesto, que formata e modula corpos, criando volumes e modos de ocupar e dominar territórios. “Bananas 15” questiona fronteiras entre gêneros, entre espectador e performer, em uma série de experiências acionadas pelo sistema digestório do corpo e seus padrões básicos de sobrevivência. “Bananas 15” explora um corpo visceral, primitivo, faminto. Insaciável no seu desejo de consumir e descartar imagens, lugares, tempos e pessoas. Um corpo que prevalece, uma invenção do masculino que ainda molda presenças dominantes

Concepção/direção Adriana Grechi | Performance/criação Bruna Spoladore, Lívia Seixas e Nina Giovelli | Colaboração/estágio Luiza Meira Alves | Provocadores Robert Steijn e Marcelo Evelin | Trilha sonora Dudu Tsuda | Iluminação André Boll | Operação de luz Diego Gonçalves | Produção Fractal Produção Cultural – Amaury Cacciacarro Filho | Assistência de produção Erika Fortunato | Produção executiva Guilherme Elias
www.nucleoarterias.com

Duração 45 min | Classificação indicativa 16 anos.

9/10, DOMINGO

16h – Real Parque. Zona Sul
Encruzilhada (Intervenção Urbana) – Fragmento Urbano

19h – Teatro Alfredo Mesquita. Zona Norte
Cisza (II de IV) – Com(som)antes Cia de Arte

“Cisza” fala dos silêncios. Fala mudamente. É uma obra de dança. Em 2016, a Com[som]antes olha para essa criação, que se construiu e modificou no decorrer da trajetória da companhia, e propõe alguns procedimentos para aprofundar e entender os silêncios que já foram e os que ainda são. “Cisza Parte II – Engolir desejos, 2ois; tecer, ter sido, tração de uma relação; memória A2, bloqueio A2, afastamento A2; cordão umbilical.

Grupo convidado para integrar a programação da Mostra na Zona Norte.

Diretor Harrison Rodrigues | Intérpretes‐criadores Camila Pan, Harrison Rodrigues, Lucas Lopes e Thais dos Reis | Cantora Bárbara Bandeira
www.comsomantes.com.br

Duração 45 min | Classificação indicativa Livre.

20h – Tendal da Lapa. Zona Oeste
Sob os Olhos de Oyá – Ojú Oya

O espetáculo “Sob os Olhos de Oyá” nos leva à uma viagem aos nossos ancestrais, a partir de movimentos característicos dos orixás, do samba baiano e das narrativas corporais trazidas pela dança de berço africano, mas de criação poeticamente brasileira.

Grupo convidado para integrar a programação da Mostra na Zona Oeste.

Direção Luiza Ylone | Dançarinos Antonio Carlos Hennies, Luiza Ylone, Kelly Francelina dos Santos, Mariane Oliveira, Silvana de Jesus, Wellington Campos | Músico Egmar Alves da Silva | Produção Mariane Oliveira
http://angoleirosimsinho.org.br/

Duração 40 min | Classificação indicativa Livre.

LOCAIS

– Centro Cultural Olido – Saguão de entrada, Sala Paissandu e Cine Olido (Av. São João, 473, Centro);
– Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo (Baixos do Viaduto do Chá s/n – ao lado do Theatro Municipal – Centro);
– Praça das Artes (Av. São João, 281 – Centro);
– Casa Amarela (esquina das Ruas da Consolação e Visconde de Ouro Preto – Centro);
– Praça Ramos de Azevedo (em frente ao CRDSP);
– Vale do Anhangabau, Largo de São Bento, Rua São Bento, Praça Antônio Prado – Centro;
– Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso);
– Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (Rua Inácio Monteiro, 6900 – Cidade Tiradentes, Z. Leste);
– Teatro Alfredo Mesquita (Av. Santos Dumont, 1770 – Santana, Z. Norte);
– Tendal da Lapa (Rua Constança, 72 – Lapa, Z. Oeste);
– Núcleo Brasílica de Expressão Artística (Rua Constança, 32, Lapa – ao lado do Tendal da Lapa, Z.Oeste);
– Espaço Caleidos. Rua Mota Pais, 213 – Lapa, Z. Oeste);
– CEU Campo Limpo (Av. Carlos Lacerda, 678 – Pirajussara, Z. Sul);
– Casa de Cultura M´Boi Mirim (Av. Inácio Dias da Silva, s/nº – Piraporinha, Zona Sul);
– Estação Capão Redondo (Av. Carlos Caldeira Filho, 4261- Metrô, Z. Sul);
– Praça Jardim Miriam (Av. Cupecê – Jardim Miriam, Z. Sul);
– Real Parque (Av.Duquesa de Goiás, 47- Real Parque, Z. Sul)