Modos de se Mover apresenta cinco criações de residentes do Centro de Referência da Dança

Nos dias 15 e 16 de março (sexta e sábado), o Centro de Referência da Dança apresenta Modos de se Mover 2, programa especial voltado para a produção interna do CRD, que desde sua fundação dedica importante espaço ao abrigo de projetos de criação de seus residentes artísticos. Parte do eixo de Formação e orientação de processo, com coordenação pedagógica de Paula Petreca e Paula Salles, proposto no projeto de gestão “Novo circuito de afetos”, esta segunda edição de Modos de se Mover expõe as singularidades do trabalho de cinco artistas em diferentes momentos de trajetória e experiências na dança.

Na sexta, a partir das 19h, Rafael Lemos compartilha o processo de criação de Sai Andando!. Motivado pelo treinamento em Bharatanatyam (estilo de dança clássica indiana), o trabalho combina improvisação e células coreográficas pré estabelecidas onde, entre um elemento e outro, há o andar, o peregrinar, o mover-se que se estabelece em convergência com o espaço. Na sequência, Alice Vasconcelos dança o solo Sonhei Penhascos, inspirado pela obra poética “Do Desejo”, de Hilda Hilst. Ao investigar o desejo como força motriz, a intérprete-criadora se propõe a transitar entre estados corporais diversos à procura de um fluxo incessante de prazer e movimento

No sábado, as apresentações têm inicio às 18h, com Yabacia, performance coreográfica de Beatriz Aranha Coelho, que faz uso do utensílio doméstico bacia para estabelecer uma correspondência entre o útero, o ventre, o quadril e outras alusões a arquétipos do feminino e funções como quituteira, doméstica, lavadeira, que revelam a histórica reificação do corpo que está dado a serviço, dominado pelo desejo masculino e à reprodução sexual.

tuwi’xawa dea Las Curanderas, pesquisa de Adélia Wellington baseada nesta expressão originária do tupi, que representa a divindade e a sabedoria indígenas, é o segundo trabalho da noite. Quase um ritual, tuwi’xawa dea Las Curanderas propõe um corpo-oração que se abre em vibração para receber da Mãe Terra a luz infinita perpetuada, em plenitude de contentamento e contemplação, na pureza do silêncio.

Vanessa Moraes encerra o programa com a criação, também em processo, de Cabaça, que parte de estudos sobre a construção histórica e filosófica acerca da profanação do corpo feminino, buscando a relação que faz com que magia, desobediência e decolonialidade sejam troncos da mesma raiz. A partir da caracterização do grotesco em cena, assimetrias e questionamentos ao sagrado imposto pelo colono patriarcal, a artista percorre um caminho de transcendência e expurgo pela fisicalidade.

As apresentações têm entrada gratuita.

Ficha Técnica

Sai Andando!

Criação e interpretação: Rafael Lemos
Orientação: Paula Salles e Paula Petreca
Classificação: Livre | Duração: 30 minutos

Sonhei Penhascos

Intérprete-criadora: Alice Vasconcelos
Orientação: Paula Salles e Paula Petreca
Desenho de luz: Mainá Santana
Trilha (mixagem e colagem digital): Alice Vasconcelos
Classificação: 18 anos | Duração: 45 minutos

Yabacia

Concepção, criação e dança: Beatriz Aranha Coelho
Orientação de criação de processo: Paula Petreca e Paula Salles
Trilha sonora: Ricardo Amabis
Técnico de luz: José Virgínio
Produção: Cais
Classificação: 14 anos
Duração: 40 minutos

tuwi’xawa dea Las Curanderas

Criação e interpretação: Adélia Wellington
Orientação: Paula Salles e Paula Petreca.
Classificação: 14 anos | Duração: 35 minutos

Cabaça

Concepção, Criação e Dança: Vanessa Moraes
Iluminação: Fernando Melo
Colaboração artística: Elder Sereni, Marília Balbi, Paula Petreca e Paula Salles
Classificação: 14 anos | Duração: 30 minutos

Crédito da foto: Emerson Silva | Cena de Cabaça, de Vanessa Moraes

Serviço

Modos de se Mover
“Sai Andando!”, de Rafael Lemos; “Sonhei Penhascos”, de Alice Vasconcelos; “Yabacia”, de Beatriz Aranha Coelho; “tuwi’xawa dea Las Curanderas”, de Adélia Wellington; e “Cabaça”, de Vanessa Moraes
Dias 15 e 16 de março de 2019
Sexta, 19h, sábado, 18h
Dia 15/3: “Sai Andando!”, de Rafael Lemos; e “Sonhei Penhascos”, de Alice Vasconcelos
Dia 16/3: “Yabacia”, de Beatriz Aranha Coelho; “tuwi’xawa dea Las Curanderas”, de Adélia Wellington; e “Cabaça”, de Vanessa Moraes
Local: Centro de Referência da Dança – CRDSP
Baixos do Viaduto do Chá, s/n – Centro, São paulo – SP
(ao lado do Theatro Municipal)
Ingresso: Grátis
Informações: (11) 3214-3249 | 95301-3769

Deixe uma resposta