Girassóis – Cia Druw

Girassóis, o mais novo espetáculo criado e dirigido por Miriam Druwe, da Cia Druw, será apresentado no dia 19 de maio de 2013 no Teatro Ralino Zambotto (Rua Romeu Augusto Rela, 1100 – Jd. Engenho), em Itatiba, interior de São Paulo. A apresentação de Girassóis em Itatiba tem o patrocínio da TE Connectivity e apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura por meio do Programa de Ação Cultural 2012 – PROAC.
Girassóis é um espetáculo de dança contemporânea inspirado na trajetória artística de Van Gogh. Como fio condutor do espetáculo, foi escolhido o quadro “O Semeador”, mas outros tantos inspiraram a criação das cenas, como Camponeses, Comedores de Batatas, Noite Estrelada, O Quarto, Casa Amarela e Girassóis. Personagens vangoghianos das telas O carteiro, O Escolar, La Mousmè, Gauguin, Segatóri, Srta Gachet no piano, além dos autorretratos, inspiraram o grupo a construir as cenas cobertas de tons ocres, amarelos e azuis. Girassóis, sob a batuta de Miriam Druwe, põe no palco o fluxo de “plantar” e “colher”, em corpos que pulsam pinceladas carregadas de emoção.
Detentor de uma força espiritual tão extraordinária quanto incontrolável, o pintor holandês encontrou, talvez como um exercício de sobrevivência, o modo de expressar suas paixões e sentimentos: com pinceladas expressivas e carregadas de energia, com cores provenientes do coração – e não somente da contemplação – e com uma incrível capacidade de transformar a natureza observada em sensações que chegam à alma.
Essa obra Girassóis, concebida com o apoio da 9º edição do programa Fomento à Dança da Cidade de São Paulo, pontua mais um parágrafo no traçado evolutivo da Cia Druw, que tem a faísca da criação na inquietude investigativa da companhia sob a direção de Miriam Druwe. Enveredar pelo universo das artes visuais e atrelar a obra ao universo infantojuvenil já é a marca forte dos trabalhos da Cia Druw, amplamente reconhecida pela crítica e público da dança.
VAN GOGH
Van Gogh, o pintor holandês, gênio das cores na pintura, diagnosticado como depressivo, elegeu as telas como suporte para o destino de sua loucura. Estudioso contumaz de paisagens da natureza, também dedicava seu tempo à observação humana, o que resultou em obras maravilhosas como “Camponeses”, “Comedores de Batata”, “O Semeador”, dentre tantas, que mostram o ser humano em seus afazeres corriqueiros, dentro de um contexto de vida real. Suas obras, que não foram poucas, deixaram um legado de cor e sentimentos.
Ainda criança, explorava a natureza em longas e numerosas caminhadas pelo campo. Era fascinado por flores raras, amava insetos e animais aquáticos e tinha prática em cataloga-los, a curiosidade pela anatomia dos bichos era imperativa. Van Gogh teve uma relação intensa com seu irmão Theo, para quem, durante toda a vida, escreveu cartas e manteve contato entre julho de 1873 e 1890. Os escritos mostram um pintor atormentado diante das questões apresentadas pela sociedade. Dr. Jan Hulsker, uma das autoridades mundiais em análises de cartas de Vincent van Gogh, uma vez escreveu sobre elas: “[Suas cartas] nos permitem conhecer mais sobre a vida de Van Gogh e sobre sua forma de pensar que qualquer outro artista. As cartas constituem um comentário vivo de seu trabalho assim como um documento humano sem paralelo”.
“Quando digo que sou um pintor de camponeses, isto é bem real e você verá adiante que é aí que eu me sinto em meu ambiente. (…) Eu me envolvi tão intimamente com a vida dos camponeses de tanto vê-la continuamente e todos os dias que realmente não me sinto atraído por outras ideias”. Trecho da carta de Van Gogh a seu irmão Theo, em 1878.
CIA DRUW
Sob a direção geral e artística da bailarina e coreógrafa Miriam Druwe, a companhia foi criada em 1996 em São Paulo, desenvolvendo um trabalho cujo principal objetivo é experimentar novas possibilidades de pesquisa e criação de uma linguagem própria. Seus temas percorrem caminhos variados, com um estilo coreográfico que passeia de forma bem humorada e reflexiva por temas do cotidiano e questões internas e externas da natureza humana.
Destacam-se os seguintes trabalhos: Passagem da Hora, Quarto sono, Sobre Nós, Sobre nossos Nós, Solo Drúwida, Alfredo, Estar sendo, Problemas Humanos, Poemas Urbanos, Corpoético, Lúdico (3º Edital de Fomento à Dança de SP), Vila Tarsila (6º Edital de Fomento à Dança de SP), e Girassóis (9º Edital de Fomento à Dança na cidade de São Paulo).
FICHA TÉCNICA
Direção, Concepção e Roteiro: Miriam Druwe
Intérpretes-criadores: Adriana Guidotte, Anderson Gouvêa, Bruna Petito, Elizandro Carneiro, Felipe Sacon, Miriam Druwe, Orlando Dantas, Tatiana Guimarães.
Direção Cênica: Silvia Leblon
Trilha Sonora: Fábio Cardia
Cenografia e Figurino: Marco Lima
Projeto de Luz: Lucia Chedieck
Vídeo Cenário: Tatiana Guimarães
Treinamento Clown: Silvia Leblon
Voz em off: Paulo Federal
Fotos: Claudio Roberto e Silvia Machado
Realização: Miriam Druwe Produções Artisticas
Gestão Cultural: Doble Cultura+Social
SERVIÇO
Girassóis – Cia Druw
Teatro Ralino Zambotto
Rua Romeu Augusto Rela, 1100 – Jd. Engenho, Itatiba – SP – CEP 13255-360
19 de maio de 2013, domingo às 17h
Ingresso: entrada franca, retirar ingresso com uma hora de antecedência.
Duração: 60 minutos
Classificação: Livre, voltado à família.
Informação: (11) 4524-9600