Festival Contemporâneo de Dança – 8ª Edição

LaBete-002 crédito Caroline Moraes net
Cena de La Bête – Foto: Caroline Moraes

A 8ª edição do Festival Contemporâneo de Dança reúne em São Paulo, no período de 29 de outubro a 15 de novembro de 2015, artistas interessados em experimentar possibilidades de convívio, conexão e partilha, cujos trabalhos insistem em propor questões fundamentais.

Que outras formas de afeto são possíveis e necessárias diante de um cenário cada vez mais voltado aos encontros efêmeros, ao êxito individual e à aceleração dos processos artísticos? O que nos une? Por que, como e para quem realizamos nossas experiências? De que maneira podemos reinventar nossas habilidades para o compartilhamento?

A coreógrafa Bouchra Ouizguen vem pela primeira vez ao Brasil apresentar Madame Plaza com seu grupo formado por aïtas: cantoras/dançarinas de cabarés e festas tradicionais, vistas com receio pela sociedade marroquina. O búlgaro Ivo Dimchev provoca a plateia transformando-se em “Lili Handel”: diva queer que se oferece ao consumo físico e estético. Ivo ainda partilha sua poesia afiada e seu potente trabalho vocal nas canções de “15 Songs from my Shows”. Wagner Schwartz dialoga com a obra de Lygia Clark em “La Bête” e Michelle Moura traz uma coreografia vertiginosa, criada a partir do movimento das pálpebras. Robert Steijn e Ricardo Rubio testam formas íntimas de convívio e aproximação em “Prelude On Love”. Marcela Levi, Lucía Russo e o grupo de “Mordedores” transformam violência em vitalidade através do contato entre corpos que se afetam.

Além das apresentações, o FCD oferece oficinas gratuitas voltadas à formação artística com Ivo Dimchev, Wagner Schwartz, Robert Steijn e Ricardo Rubio. As oficinas de criação promovem uma imersão nos processos criativos dos convidados, possibilitando uma aproximação ao pensamento e à prática de cada artista.

A 8ª edição do Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo tem o patrocínio do Banco Itaú, do Ministério da Cultura, do Governo do Estado de São Paulo através do Programa de Ação Cultural 2014, do SESC e de instituições internacionais de apoio à cultura.

FICHA TÉCNICA FCD

Direção artística: Adriana Grechi
Direção geral e de produção: Amaury Cacciacarro Filho
Assistência de direção: Erika Fortunato
Produção: Guilherme Elias
Técnica: André Boll – Santa Luz
Produção e divulgação: Fractal Produção Cultural

AÇÕES DE FORMAÇÃO

Além das apresentações, o FCD viabiliza oficinas de criação propondo imersões nos processos e procedimentos criativos de alguns dos convidados que terão a possibilidade de permanecer mais tempo na cidade para experimentar uma partilha mais intensa de suas práticas. Nesta edição, as oficinas serão ministradas por Ivo Dimchev, Ricardo Rubio, Robert Steijn e Wagner Schwartz.

PROGRAMAÇÃO

MADAME PLAZA
Bouchra Ouizguen (Marrocos)
Duração: 55 minutos Classificação etária 10 anos
SESC SANTANA 29 e 30 de outubro | quinta e sexta às 21h

MADAME PLAZA é uma homenagem da corégrafa marroquina Bouchra Ouizguen à musica das “aïtas”: cantoras que se apresentam em celebrações, casamentos e clubes noturnos, cujas performances incluem canções, lamúrias e sortilégios. Alvo de preconceito na sua condição de mulheres artistas, as aïtas tem uma reputação ambígua, sendo objeto de admiração, fantasias e rejeição. Movido pela afinidade da coreógrafa com a luta destas mulheres pela sua liberdade, Madame Plaza é um fascinante encontro de vozes e corpos que problematiza os enfoques formalistas que separam a contemporaneidade da tradição cultural e das práticas folclóricas.

Nascida em Ouarzazate-Marrocos, Bouchra Ouizguen foi bailarina solista de dança oriental (1995-2000) em Marraquexe. Na sua incursão na dança contemporânea sentiu-se fortemente influenciada pelos artistas Bernardo Montet, Mathilde Monnier e Boris Charmatz com quem estudou e colaborou. Em 2002 fundou a companhia Anania com Taoufiq Izeddiou e Saïd Aït El Moumen e em 2005 foi uma das coordenadoras do evento “Rencontres chorégraphiques” em Marraquexe. Dos seus trabalhos coreográficos destaca-se o solo “Ana Ounta” (2002), criado sob a orientação de Mathilde Monnier, “Mort et moi” (2005) e “Déserts, desires” (2006).

Ficha técnica

Concepção: Bouchra Ouizguen
Interpretação: Fatima El Hanna, Fatna Ibn El Khatyb, Halima Sahmoud, Kabboura Aït Ben Hmad, Bouchra Ouizguen
Música: “Ahat” by Youssef El Mejjad, “Akegarasu” by Shin-Nai
Luz: Yves Godin Production, Thalie Lurault
Figurino: Nourredine Amir
Produção: Fanny Virelizier

BLINK
Michelle Moura (Curitiba-Brasil)
Duração: 70 minutos Classificação etária 14 anos
OLIDO 29 e 30 de outubro | quinta e sexta às 20h

Intrigada pelo ato reflexo de piscar os olhos e pelas consequências corporais de sua interrupção, Michelle Moura traz ao público uma coreografia vertiginosa, criada a partir do movimento das pálpebras. Em Blink – mini-uníssono intenso-lamúrio, duas performers abrem e fecham os olhos em uníssono e intensificam esse movimento de tal forma que se perde de vista a singularidade de cada uma. Como em outros de seus trabalhos (FOLE – 2013, Big Bang Boom – 2012, CAVALO – 2010), Michelle Moura investiga o paradoxo entre controle e entrega. Uma dança generativa, em que uma ação é alimentada e desafiada exponencialmente por seus próprios efeitos, e que se organiza através de aglomerados de ritmos, gestos, expressões e afetos. Uma dança com efeitos múltiplos tanto em suas performers quanto nos espectadores. A criação foi desenvolvida por meio de experimentos e trocas realizadas em residências com criadores em diversas cidades brasileiras e no mestrado da Amsterdamse Hogeschool voor de Kunsten (AHK), na Holanda.

Performer e coreógrafa, Michelle Moura reside em Curitiba e suas criações, que envolvem um hibridismo das linguagens da dança, performance e som, já foram apresentadas em festivais em países como Brasil, Uruguai, Chile, Cuba, Alemanha, França, Portugal, Holanda e Espanha. Desde 2010, vem desenvolvendo estratégias físicas que tenham o potencial de produzir diferentes estados da mente e do corpo, outras subjetividades e outras perspectivas, mudanças na percepção e na sensação.

Ficha técnica

Concepção e interpretação: Michelle Moura
Performance: Clara Saito e Michelle Moura
Coprodução: SESC e Theaterschool – Amsterdam Master of Choreography

15 SONGS FROM MY SHOWS
Ivo Dimchev (Sofia-Bulgária)
Duração: 50 minutos Classificação etária 10 anos
OLIDO 31 de outubro e 1 de novembro | sábado às 20h, domingo às 19h

Em 15 SONGS FROM MY SHOWS, o performer búlgaro Ivo Dimchev interpreta ao vivo quinze composições musicais da sua autoria especialmente selecionadas para a ocasião. Organizadas neste formato, estas canções, originalmente criadas para suas performances, são apresentadas como unidades independentes em um peculiar concerto que confirma a versatilidade e o talento musical do artista.

Ivo Dimchev é performer, coreógrafo e autor de mais de trinta performances. Ganhou vários prêmios pela sua atividade profissional e ministrou aulas magnas nas instituições “Hochschule der Künste”, “National Theater Academy”, “Royal Dance Conservatorium” e “DanceWeb”. É o diretor da “Humarts Foundation” e o organizador do evento anual “National Competition for Contemporary Choreography” na Bulgária. Após concluir o seu mestrado na “Dasarts Academy” em Amsterdã, fixou-se em Bruxelas e abriu o estúdio “Volksroom”, onde se apresentam artistas de vários países. Atualmente é um dos artistas residentes do “Kaaitheater” (2013/2016).

Ficha Técnica

Composição e interpretação: Ivo Dimchev
Músico: Dimitar Gorchakov
Apoio: Kaai Theater Brussels, MOZEI Sofia Bulgaria

LILI HANDEL
Ivo Dimchev (Sofia-Bulgária)
Duração: 60 minutos Classificação etária 14 anos
OLIDO 5 e 6 de novembro | quinta e sexta às 20h

Nesta intensa e crua performance, Ivo Dimchev, multifacetado artista búlgaro que iniciou sua trajetória no teatro físico, apresenta a história da calejada diva LILI HANDEL. A tragédia do desvanecimento da sua beleza, que a transforma em uma criatura sem rosto nem gênero, atinge as profundezas do seu ser. O artista canta suas músicas com a voz de um eunuco e o antigo desejo da diva de se doar por inteiro ao seu público aparece sinistramente transformado na experiência de Dimchev de leiloar seu próprio sangue, extraído ao vivo, para quem lhe oferecer o melhor lance.

Lili Handel foi o primeiro solo de Ivo Dimchev. Criado em 2004 estreou na House of Dance em Estocolmo e permaneceu em cartaz até 2006 na Red House em Sofia. Desde então, Lili Handel foi apresentado mais de 500 vezes em diversos países. Lili Handel foi escolhido pelo LaMama como a “melhor performance do ano em Nova York” no ano de 2010, recebeu o prêmio “melhor performance do ano” pela Associação dos Críticos da França em 2008, e o prêmio de “melhor ator” pela Associação dos Críticos de Teatro – MASK da Hungria em 2005.

Ficha Técnica

Concepção e performance: Ivo Dimchev
Apoio: Kaai Theater Brussels, MOZEI Sofia Bulgaria

LA BÊTE (O BICHO)
Wagner Schwartz (São Paulo-Brasil/Paris-França)
Duração 50 minutos Classificação 16 anos
OLIDO 7 e 8 de novembro | sábado às 20h, domingo às 19h

Nessa performance, Schwartz manipula uma réplica de plástico de uma das esculturas da série Bichos (1960), de Lygia Clark. O objeto permite a articulação das diferentes partes do seu corpo através de suas dobradiças. O público será convidado a participar.

O andamento das experiências artísticas de Wagner Schwartz elabora-se a partir da necessidade de transitar entre práticas e culturas diferentes. Wagner traça a dramaturgia de seus trabalhos através da composição de textos, música e imagens para tornar visível a fisicalidade de seus experimentos. Coreógrafo, performer, escritor, baseado entre São Paulo e Paris, foi selecionado pelo Rumos Itaú Cultural Dança em 2000/2001, 2003/2004, 2009/2010 e 2014. Seus projetos têm sido estudados em publicações dentro e fora do Brasil, como no livro de Jussara Sobreira Setenta, O fazer-dizer do corpo: dança e performatividade, ou em Am Rand der Körper: Inventuren des Unabgeschlossenen im zeitgenössischen Tanz [À borda do corpo: inventários da dança contemporânea inacabada], de Susanne Foellmer. É criador do espetáculo solo e do livro Piranha, ganhador do prêmio APCA de Melhor Projeto Artístico de 2012 e indicado aos 10 melhores do ano pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Ficha Técnica

Concepção e performance: Wagner Schwartz
Direção técnica, iluminação: (2005) Alexandre Molina (2015) Diego Gonçalves
Objeto: réplica da estrutura Bicho, de Lygia Clark
Acompanhamento final de projeto e imagens (2005): Maíra Spanghero
Realizado com o apoio do Fórum Internacional de Dança (FID)/Território Minas

PRELUDE ON LOVE
Ricardo Rubio e Robert Steijn (México/Holanda)
Duração 45 minutos Classificação etária 14 anos
OLIDO 12 e 13 de novembro | quinta e sexta às 20h

PRELUDE ON LOVE deriva da pesquisa iniciada ha três anos atrás por Ricardo Rubio e Robert Steijn em torno à identidade e à sexualidade masculinas para além dos parâmetros culturais hegemônicos. Dois artistas, um mexicano e outro holandês, conectados pela dança, criam um dialogo onde suas energias, estimuladas pelo encontro dos corpos, se bastam. Interessados em explorar o carinho e a transparência entre os homens, sem moralismos ou censuras, eles tentam redefinir a ternura como uma via alternativa para pensar, comportar-se e perceber a realidade.

Além deste primeiro duo, PRELUDE ON LOVE desdobrar-se-á em textos, canções, músicas e um vídeo-dança. Rubio e Steijn também oferecerão oficinas e trabalharão em parceria com outros artistas a fim de manter a pesquisa em constante crescimento.

O coreógrafo Ricardo Rubio trabalha no México e dirige uma companhia que combina dança flamenca experimental e mídia digital. Robert Steijn é um artista performático europeu, muito influenciado pelo xamanismo, praticante de danças litúrgicas. Ambos descobriram um universo poético comum, onde o silêncio coexiste com o ritmo vital e a seriedade encontra o humor.

Ficha Técnica

Concepção e performance: Ricardo Rubio e Robert Steijn
Produção: el dia D Juan Antonio
Apoio: mexico en cena e interflamenca
Coprodução: Veem House for Performance – Amsterdam e Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo

MORDEDORES
Marcela Levi e Lucía Russo (Rio de Janeiro-Brasil/Argentina)
Duração 40 minutos Classificação etária 10 anos
OLIDO 14 e 15 de novembro | sábado às 20h, domingo às 19h

Em MORDEDORES a violência extrapola suas conotações imediatas de aniquilamento, morte e destruição. Ao corpo contemporâneo blindado e asséptico, envolvido em fantasias cosméticas na sua desesperada busca de uma fortaleza auto-protetora contrapõe-se um corpo permeável, mais elástico, que suja e se suja, que pensa e é pensado, morde e é mordido.

Não se trata de um retorno à violência mítica, que purifica e redime, mas de tomar a violência como algo que nos constitui, e extrair dela sua dimensão criadora, anti-determinista, suja. Nem de buscar as causas ou a compreensão, mas de incorporar, em outro contexto – o dos corpos em contato – os efeitos, os gestos e ritmos encetados por essa força. O que normalmente é temido e evitado, pressupondo sempre uma exterioridade da violência em relação ao corpo ou à vida, passa a funcionar como energia vital. Talvez também por isso a violência que aí se articula arraste consigo a sombra do erotismo.

A coreógrafa carioca Marcela Levi e a coreógrafa argentina radicada no Rio de Janeiro Lucía Russo fundaram a “Improvável Produções” em 2010. Levi e Russo apostam em um projeto de autoria e direção compartilhada onde posições inventivas se entrecruzam, acolhendo linhas desviantes, dissenso e diferenças internas. “Improvável Produções” é também responsável pela criação e produção de “Natureza Monstruosa” e pela intervenção urbana “Sandwalk”, entre outros projetos.

Ficha Técnica

Direção artística: Marcela Levi e Lucía Russo
Performance e cocriação: Daniel Passi, Endi Vasconcelos, Gabriela Cordovez, Ícaro Gaya, João Victor Cavalcante, Lucía Russo e Tony Hewerton

OFICINAS DE CRIAÇÃO

Improvisação
Com Ivo Dimchev (Sofia-Bulgária)
OLIDO 3 e 4 de novembro, terça e quarta, das 14h às 18h

Nesta oficina Ivo Dimchev convidará os participantes a explorar diversas maneiras de articular registros verbais, vocais e físicos através da improvisação a fim de desenvolver dinâmicas mais complexas entre elas, analisando elementos básicos como volume, ritmo, sotaques e intensidade. Inventar melodias, soltar a voz e cantar sem moderação farão parte desta experiência que propõe um mergulho nos procedimentos criativos com os que o artista desenvolve suas performances.

Prelude on love/Awakenings
Com Ricardo Rubio (México), Robert Steijn (Holanda)
OLIDO 5 e 6 de novembro, quinta e sexta, das 14h às 18h

Esta oficina visa introduzir aos participantes na pesquisa de Ricardo Rubio e Robert Steijn. Eles compartilharão suas práticas e as questões que guiaram a criação de Prelude on Love focando-se, acima de tudo, em como traduzir a energia vital do corpo movente como ferramenta de expressão. Investigarão a abertura da pele ao tocar e mover-se a fim de promover a escuta de energias subjacentes que despertam o corpo de maneiras ainda desconhecidas. Sua prática é baseada em sua crença na cura através do toque, no pensamento xamânico, nos abraços tântricos e em um fluxo livre da dança que atravessa diferentes ritmos e silêncios. A oficina convida os participantes a descobrir sua própria maneira de entrar em diálogo com seus corpos e a questionar sua maneira habitual de ser, dançando, movendo-se, refletindo e escrevendo.

“BICHOS”
Com Wagner Schwartz (São Paulo-Brasil/Paris-França)
OLIDO 6 de novembro, sexta, das 14h às 18h

Nessa oficina, os participantes serão convidados a observar as articulações e as variações que movem o corpo da escultura Bicho, da artista plástica Lygia Clark. Em seguida, a explorar suas formas no próprio corpo. As metáforas que surgem dessa experiência serão compartilhadas e estudadas em grupo.

Público: estudantes e profissionais de dança. As oficinas são gratuitas.
Os interessados devem enviar currículo resumido até 18 de outubro para o e-mail fcd@estudionave.com. Os selecionados serão contatados por e-mail até 23 de outubro.

Local de realização: Centro de Dança Umberto da Silva na Galeria Olido- Av. São João 473 – Centro – São Paulo/SP.

SERVIÇO

Festival Contemporâneo de Dança – 8ª Edição
29 de outubro a 15 de novembro de 2015

Galeria Olido – Centro de Dança Umberto da Silva
Av. São João, 473 – Centro – Sala Paissandu – 2° andar
Ingressos: Grátis (retirados 1h antes na bilheteria)
Informações: (11) 3397 0171
Capacidade: 136 lugares

Sesc Santana – Teatro
Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jd. São Paulo
Ingressos: até R$ 20,00
Informações: (11) 2971.8700
Capacidade: 337 lugares