Cia Fragmento de Dança mantém a Terça Aberta no Kasulo de modo colaborativo

A Terça Aberta no Kasulo, ação da Cia Fragmento de Dança, que recebeu na sede da companhia 42 grupos/artistas para intersecção, debate e difusão, em 15 encontros realizados mensalmente no período de outubro 2016 a dezembro de 2017, dentro de projeto contemplado pelo Programa de Fomento à Dança, seguirá acolhendo trabalhos de dança, teatro e performance, agora de modo independente.

Por conta de seu caráter de mostra permanente, a Terça Aberta, mesmo com o término do projeto, continuou a receber propostas de apresentação e compartilhamento. “Como forma de resistência e por acreditarem em sua condução e formato estratégicos, os profissionais envolvidos no projeto inaugural decidiram trabalhar conjuntamente e de forma colaborativa para dar continuidade à ação”, comenta Vanessa Macedo, diretora da Cia Fragmento de Dança.

Projeto que nasceu contemplado pelo programa de Fomento à Dança e tem contribuído para o amadurecimento de trabalhos, muitas vezes em processo de criação ou prestes a estrear, segue, no ano de 2018, como ação independente.

Dois solos ocupam esta primeira edição independente: “Trabalho”, de Suiá Ferlauto, que busca estar em movimento sem, no entanto, perseguir uma dança; e “A Flor da Lua”, de Marcus Moreno, que fala sobre a passagem do tempo usando como metáfora a flor de um cacto, que desabrocha e dura apenas uma noite.

O título do solo de Suiá foi escolhido especialmente pela definição dada em física, que denomina “Trabalho” como a relação existente entre força e deslocamento. Também não foram ignorados os múltiplos significados que essa palavra carrega em diversas culturas. O estudo é acompanhado pela composição para voz “Sequenza III”, de Luciano Berio, que traz texto “modular” escrito por Markus Kutter.

Para sua “Flor da Lua”, Marcus Moreno busca inspiração na obra da artista e ilustradora botânica Margaret Mee, que em sua última expedição à Amazônia, aos 79 anos, finalmente pode acompanhar e registrar a Flor da Lua explodir para a vida em sua efêmera existência. Tal como a flor da lua nasce e perdura por uma única noite, a dança, em capítulos breves, vai se constituindo a partir do instante presente e se expande a caminho do encerro. Criado dentro do Programa de Residência Artística da Casa das Caldeiras, o trabalho conta com a colaboração cênica de Key Sawao, luz de Calu Zabel e trilha original do músico Manuel Pessôa de Lima.

Depois das apresentações, começa a roda de conversa com os artistas, mediada por Vanessa Macedo (Fragmento de Dança), Janaina Leite (XIX de Teatro) e Angela Nolf (Unicamp), para a troca de impressões sobre os trabalhos. Durante todo o evento, o Bar improvisado serve bebidas e comidas preparadas pela própria cia, baseadas na memória afetiva de seus integrantes.

Crédito da foto: Danilo Patzdorf | Cena de A Flor da Lua

Serviço

Terça Aberta no Kasulo, mostra permanente de trabalhos de dança, teatro e performance.
Com: “Trabalho”, de Suiá Ferlauto; e “Flor da Lua”, de Marcus Moreno
Dia 27 de março de 2018
Terça-feira, às 20h.
Local: Kasulo – Espaço de Cultura e Arte
Rua Souza Lima, 300 – Barra Funda – São Paulo/SP
(Metrô Marechal Deodoro – Linha Vermelha)
Ingressos: Grátis (retirada a partir das 19h; reservas pelo e-mail
ingressociafragmento@gmail.com , com retirada até 19h40)
Informações: (11) 3666-7238
Classificação: livre
Duração: apresentações 60 minutos – Bate-papo: 60 minutos
Capacidade: 40 lugares