Ballet Stagium apresenta Mané Gostoso e as obras Memória e Preludiando

Cena de Memória
Cena de Memória | Foto: Gustavo Calicchio/Divulgação

Durante o mês de maio o Ballet Stagium participa do projeto ABCDança com apresentação do balé Mané Gostoso no Sesc Santo André, dia 20/05, às 16h, e segue com apresentação dos balés Memória e Preludiando no Teatro Sérgio Cardoso, dia 22/05, às 21h.

Fundado em 1971, na cidade de São Paulo, o Ballet Stagium fica sob a direção de Marika Gidali e Décio Otero. A companhia contou com o apoio e influência da classe teatral local e ficou reconhecido nacionalmente por seu projeto de engajamento político. O repertório do Ballet Stagium em parceria com Ademar Guerra enfocou temas como o racismo, violência, opressões e genocídios, dançando textos proibidos pela censura, como “Navalha na Carne” (Plínio Marcos) sob o título “Quebras do Mundaréu” (1975), revelando ousadia para a época. A companhia, entre tantas inovações, foi a primeira a utilizar música popular brasileira na trilha sonora. Em 1981 Marika Gidali realizou seu grande sonho: criou o projeto “Escola Stagium” e levou mais de 80 mil crianças e adolescentes da periferia da cidade de São Paulo para assistirem espetáculos de dança.

Cena de Mané Gostoso
Cena de Mané Gostoso | Foto: Arnaldo Torres/Divulgação
SOBRE MANÉ GOSTOSO

Resgatando as raízes brasileiras, o Ballet Stagium e o grupo musical Quinteto Violado trabalharam juntos na concepção de “Mané Gostoso”, em 2007. Dez anos após sua concepção, o espetáculo continua com o mesmo frescor, misturando popular e erudito, apoiado na vigorosa coreografia assinada por Décio Otero, na direção cênica de Marika Gidali e nas músicas gravadas especialmente para o espetáculo pelo conjunto pernambucano Quinteto Violado, criado em 1971, e que coleciona mais de 30 discos gravados. A peça é genuinamente nacional e de forte identidade nordestina. Marcado pelo bom-humor, pela grandeza poética e, ao mesmo tempo, pela simplicidade. O título faz alusão ao boneco feito em madeira – brinquedo infantil facilmente encontrado nas feiras nordestinas – que tem pernas e braços movimentados por meio de cordões. E é a partir desse brinquedo e da música imortalizada por Luiz Gonzaga que o Ballet Stagium mostra toda a versatilidade do povo brasileiro.

FICHA TÉCNICA

Coreografia: Décio Otero
Direção Teatral: Marika Gidali
Criação de Luz: Décio Otero e Edgard Duprat
Trilha gravada: Quinteto Violado
Sonoplastia: Marcelo Aharon Jannuzzi
Figurinos e Cenário: Márcio Tadeu
Fotografia: Arnaldo J. G. Torres
Produção: Fabio Villardi
Bailarinos: Ariadne Okuyama, Raquel Gattermeier, Luiza Vilaça, Eugenio Gidali, Marcos Palmeira, Angélica Bueno, John Santos, Gustavo Lopes, Pedro Camargo, Roberta Vital, Júlia Carvalho e Victor Ramos

Cena de Preludiando
Cena de Preludiando | Foto: Arnaldo Torres/Divulgação
SOBRE PRELUDIANDO

Preludiando, de 2016, é mais do que uma coreografia, é uma tomada de posição. Nesta obra a prioridade está nos bailarinos e nos movimentos que eles desenham no espaço com a força e emprenho. Preludiando chama a atenção para a maneira de lutar pela sobrevivência sem abrir mão de seus valores. Décio Otero e Márika Gidali nos fazem olhar para um traço fundamental na linguagem que vem desenvolvendo há 46 anos, que coletaram nos encontros do Staguim com um Brasil que ainda não havia tido contato com este tipo de dança. Nesse momento, o Stagium reafirma as escolhas que pavimenta o seu percurso ao resgatar o compositor brasileiro Claudio Santoro do esquecimento no qual tem sido mantido.

FICHA TÉCNICA

Coreografia, seleção musical e figurinos: Décio Otero
Direção teatral: Marika Gidali
Música: Claudio Santoro
Edição da trilha sonora: Marcelo Aharon Gidali
Desenho de luz: Décio Otero e Marcelo Aharon Gidali
Locução: André Falcão
Montagem cênica: Marcos Palmeira
Secretário: José Luis Oliveira
Bailarinos: Ariadne Okuyama, Raquel Gattermeier, Luiza Vilaça, Eugenio Gidali, Marcos Palmeira, Angelica Bueno, John Santos, Gustavo Lopes, Pedro
Camargo, Roberta Vital e Júlia Carvalho.
Assessoria de Imprensa: Fabio Villardi
Professores: Yoko Okada e Decio Otero
Fotografia: Arnaldo Torres e Emidio Luisi
Coordenação Geral: Marika Gidali
Agradecimentos: Fundação Padre Anchieta – Rádio e TV Cultura

SOBRE MEMÓRIA

“Memória” é um trabalho de resgate da produção artística do Stagium ao longo destes 46 anos. Tomando como fio condutor o sistema coringa, os bailarinos se transportam para algumas das propostas do Stagium exploradas desde a sua fundação em 1971. De obras como “Jerusalém”, de 1974, que recebeu na época o Grande Prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), o espetáculo dá um salto para “Kuarup”, de 1977, que denuncia o genocídio das nações indígenas no Brasil. Na sequencia, obras como “Coisas do Brasil”, de 1979, e “Saudades de Elis” de 1997, além de produções que evocam as músicas de Piazzola, Ary Barroso e Chico Buarque, também compõem esta síntese histórica, em constante transito entre tradição e ruptura.

Para a pesquisadora e critica em dança, Cássia Navas, “… o Stagium segue sendo um moderno laboratório para a criação da arte, a dança se urdindo a partir de uma dramaturgia que subjaz a um país, sua história, seus personagens, sua vida e suas canções…”

FICHA TÉCNICA

Colagem coreográfica das principais obras do Ballet Stagium
Coreografias: Décio Otero
Direção Teatral: Marika Gidali

SERVIÇO

Mané Gostoso | ABCDança
Ballet Stagium
Dia 20 de maio de 2017
Sábado, às 16h
Local: Sesc Santo André – Área de Convivência
Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André
Ingresso: Grátis
Informações: (11) 4469-1200
Classificação: Livre

Memória e Preludiando
Ballet Stagium
Dia 22 de maio de 2017
Segunda, às 21h
Local: Teatro Sérgio Cardoso
Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista – São Paulo/SP
Ingresso: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)
Informações: (11) 3288-0136
Duração: 60 min.
Classificação: Livre