Anacã Cia de Dança encerra o ano com temporada gratuita de EleEla no Theatro São Pedro

anaca_teatro-sao-pedro

Com incentivo do MINC e patrocínio do Banco Itaú, a Anacã Cia de Dança encerra suas atividades de 2016 com curta temporada de “EleEla” no Theatro São Pedro, em São Paulo. As apresentações têm ingressos gratuitos, que devem ser retirados com 1h de antecedência na bilheteria do teatro.

Sobre EleEla

Para falar de amor, Edy inicia o espetáculo subvertendo a ciência: é a mulher que nasce do homem, e não o contrário. Surgem as cenas que permeiam a obra sobre o amor ideal e da (falsa) ideia do príncipe/princesa encantado (a) que bate à porta. A partir de um conto de Moisés Vasconcelos, Wilson criou 12 cenas acerca da diversidade de elos estabelecidos entre os gêneros masculino e feminino, em como cada um conceitua o amor. Para concretizar a ideia no palco, Edy convidou Úrsula Félix para criar o figurino, Raquel Balekian para a luz, Divanir Gattamorta na música e Lucas Simões na cenografia.

Logo de início, o coreógrafo apresenta sete casais para representar um nascimento às avessas: em vez de ser da mulher que nasce o homem, é do homem que nasce a mulher – uma alusão ao mito de Adão e Eva, que inaugura as possibilidades de relação entre homens e mulheres. Na visão de Edy Wilson, a atração é o que norteia desde o princípio esses dois indivíduos.

O figurino desenvolvido por Úrsula Félix se alinha com essa concepção. Por mais de dez anos ela atuou como diretora criativa do ateliê de Tânia Agra sua mãe. Para “EleEla”, Úrsula desenvolve um design que migra gradualmente, a cada cena, de tons terrosos para tons quentes, com destaque para os sapatos de salto que as bailarinas ostentam nos pés – um ícone jazzístico por excelência.

Conhecido por seu trabalho na criação de músicas voltadas para dança contemporânea, o músico Divanir Gattamorta, do Departamento de Artes Corporais da Unicamp, se arrisca pela primeira vez na composição para uma obra de dança jazz. Ao misturar influências, ele trilha um caminho nada óbvio para o gênero, desafiando o ouvido dos bailarinos, convocados por Edy Wilson a imprimirem suas individualidades em cada movimento.

Apoio Cultural: Theatro São Pedro, Instituto Pensarte, Governo do Estado de São Paulo, Estúdio Anacã, Só Dança, Balletto, Jacques Janine, Buddah Spa, Markable, Ponto de Produção, Valerine e Instituto Vita.

SERVIÇO

EleEla
Anacã Cia de Dança
Dias 13, 14 e 15 de dezembro de 2016
Terça a quinta, às 21h
Local: Theatro São Pedro
Rua Albuquerque Lins 207 – Barra Funda – São Paulo/SP
Ingresso: Grátis
(Retirada dos ingressos 1h antes do espetáculo na bilheteria)
Informações: (11) 3667-0499
Duração: 1h
Classificação: Livre