24º Janeiro de Grandes Espetáculos

Maior festival de artes cênicas do Estado, o Janeiro de Grandes Espetáculos chega ao 24º ano com uma das maiores e mais ecléticas programações de sua história. De 10 a 28 de janeiro, 67 montagens de teatro, dança e música, de variadas linguagens, vão ocupar as principais casas de espetáculos do Recife – número que chega a 91 quando somadas as apresentações da Mostra Paralela, que ocorre em espaços alternativos da cidade. Tudo dentro de uma grade que privilegia companhias e artistas pernambucanos, sem perder de vista as produções nacionais e internacionais. O casal Renato e Vanda Phaelante, com mais de 40 anos de carreira, serão os homenageados desta edição, uma realização da Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe).

Em 2018, a música mostra que se consolidou no evento, sendo assim, passa a dar nova alcunha ao Janeiro, que agora incorpora o termo “música” a seu ‘sobrenome’: Festival Internacional de Artes Cênicas e Música de Pernambuco. Serão 19 espetáculos/shows musicais, alguns com estreia nacional nos nossos palcos, como o que reunirá Egberto Gismonti e João do Pife, com participação da Banda de Pífano Dois Irmãos.

Para a abertura do festival, “Dorinha, Meu Amor” – roteiro e direção de João Falcão e interpretação da atriz/cantora pernambucana Isadora Melo – foi escalado para o Teatro de Santa Isabel. Entre as montagens que entrarão pela primeira vez em cena, estão “Pro(Fé)Ta” (Coletivo Grão Comum/Gota Serena), “Espera o Outono, Alice” (Amaré Grupo de Teatro) e “O Diário das Frutas” – este marca a estreia da Cais Cia. de Dança, dirigida por Dielson Pessoa, recifense que foi um dos principais bailarinos da respeitada Cia. de Dança Deborah Colker. Ainda “A Ceia dos Cardeais” (Paulo de Castro Produções), “A Dita Curva”, “Aluga-se” (Grupo Acaso), “Ebulição” (Valéria Vicente) e “Meia-Noite” (Orun Santana). Todos de companhias do Estado. Mais de 90% da programação, aliás, é assinada por grupos pernambucanos, com produções que contemplam Grande Recife (Recife, Olinda, Jaboatão, Paulista), Sertão (Arcoverde e Petrolina) e Zona da Mata (Vitória de Santo Antão).

“Somos um festival que representa a classe, que enaltece os artistas pernambucanos e dá ao grande público oportunidade de conferir o que de melhor está se fazendo no Estado”, diz Paulo de Castro, presidente da Apacepe e coordenador-geral do evento.

O público infantojuvenil será contemplado com oito espetáculos. Quatro produções do festival terão recursos de acessibilidade, com audiodescrição e libras: “Dorinha, Meu Amor” (na apresentação do dia 10), “Machuca”, “Carol Levy” e “Ritmo Kente! Um Brega de Musical”.

Com orçamento que gira na casa dos R$ 600 mil, o evento tem incentivo do Funcultura e patrocínios da Prefeitura do Recife e Fundação Joaquim Nabuco, além de importantes apoios do Sesc, Cepe, Virtual, Sated-PE e Vouver Acessibilidade. Apesar do valor enxuto, 15 montagens nacionais estarão na programação, entre elas “Ícaro”, da LM Produções, de Porto Alegre; “Espelunca”, da Cia Teatral Milongas (RJ) e “Alegria de Náufragos”, do Coletivo Ser Tão Teatro (PB). Há ainda três montagens internacionais: “Kalashnikova – AK 47” é um arrebatador espetáculo de dança da Companhia el contrabando, da Suíça. “(…) E a Vida Afinal é como as Orquídeas.”, da Gambuzinos com 1 Pé de Fora, de Portugal, chega através de intercâmbio entre as cidades do Recife e a portuguesa Alcobaça. Além de “Dialogus Ibéricos”, produção Portugal/Espanha da Favelacult Gestión Cultural, cujo elenco abrirá diálogo para troca de experiências com os artistas pernambucanos sobre música, dança, canto e teatro, em ação paralela à apresentação. A vinda do grupo conta com o apoio da Ação Cultural Espanhola (AC/E) através do Programa para a Internacionalização da Cultura Espanhola (Pice).

Programação de Dança

Daqui Não Saio, Daqui Ninguém Me Tira
Balé Deveras (Recife/PE)

Dia 11, quinta, às 19h30
Duração: 40min
Classificação: Livre
Local: Teatro Barreto Júnior

O espetáculo conta a história de luta das ocupações urbanas no Recife, tomando como referência e fonte de pesquisa a comunidade de Brasília Teimosa. Na montagem, que utiliza a dança popular e o teatro de rua, as lutas dos moradores são interpretadas através do frevo, coco, capoeira, ciranda e maracatu.

Concepção, montagem e direção geral: Mika Silva. Coreografias: Willian Sabatello e Mika Silva. Trilha sonora: Helder Vasconcelos. Projeto de iluminação: Horácio Falcão.

Dialogus Ibéricos
Favelacult Gestión Cultural (Portugal e Espanha)

Dia 11, quinta, às 19h30
Dia 12, sexta, às 19h
Duração: 1h
Classificação: 12 anos
Local: Teatro Apolo

O projeto une música, dança, canto e teatro numa viagem contemporânea às raízes populares portuguesas e suas influências na Espanha e no Brasil. Erudito e contemporâneo, tradicional e experimental. Resultante do encontro entre um músico espanhol, uma bailarina portuguesa e uma cantora espanhola, tendo como ponto de partida o cancioneiro popular ibérico, mostra o ciclo da vida das gentes. Verdadeiros laços de identidade que nos ligam mais do que separam.

Elenco: Carlos Blanco (músico), Vanessa Muela (cantora e percussionista), Alexandra Fonseca (bailarina). Dramaturgia e encenação: Moncho Rodriguez. Poemas: Ronaldo Correia de Brito.

Retomada
Totem (Paulista/PE)

Dia 12, sexta, às 20h30
Duração: 45min
Classificação: Livre
Local: Teatro Hermilo Borba Filho

Fruto de residências com os povos Pankararu, Xukuru e Kapinawá, o espetáculo corporifica a sacralidade das terras indígenas e manifesta sua identificação com o sentimento de resistência, bem como reverencia a ancestralidade, a sabedoria anterior que nos constitui e a relação entre os planos espirituais e físicos. O corpo contemporâneo do grupo é envolvido na força da alma coletiva, que séculos de colonização não conseguiram anular.

Encenação: Fred Nascimento. Elenco: Gabi Cabral, El Maria, Inaê Veríssimo, Juliana Nardin, Lau Veríssimo e Taína Veríssimo. Música original: Cauê Nascimento, Gustavo Vilar e Fred Nascimento. Concepção de cenografia e maquiagem: Totem. Figurino: Gabriela Holanda. Designer de luz: Natalie Revorêdo. Montagem de luz e operação: João Guilherme. VJ: Bio Quirino. Pintura corporal e coordenação de palco: Airton Cardim. Técnico de palco: Ronaldo Pereira. Maquiagem: Tatiana Pedrosa. Fotografia: Fernando Figueirôa. Identidade visual: Uirá Veríssimo. Preparação vocal: Conrado Falbo e Thiago Neves.

Meia-Noite
Recife (PE)

Dia 13, sábado, às 20h
Dia 14, domingo, às 19h
Duração: 45min
Classificação: Livre
Local: Teatro Marco Camarotti

Alicerçado na figura central do mestre Meia-Noite, pai do intérprete/criador, o bailarino Orun Santana faz uma apresentação na qual explora a capoeira como elemento motivador do movimento dançado. Dialoga dramaturgicamente com a relação pai e filho, mestre e discípulo, utilizando dinâmicas corporais que buscam a ligação entre corpo, memória e imagem como via de investigação para a cena.

Intérprete/criador e diretor: Orun Santana. Consultoria artística: Gabriela Santana e Janaina Gomes. Trilha sonora: Vitor Maia. Iluminação: Natalie Revorêdo. Produção: Igor Travassos. Figurino: Biam Dhifá.

Chico Vive
Cia de Dança e Teatro Evolução (Recife/PE)

Dia 14, domingo, às 18h
Duração: 30min
Classificação: Livre
Local: Teatro Luiz Mendonça

Em homenagem a Chico Science, o espetáculo retrata vida e carreira do artista através de recortes reais, baseados nos depoimentos de sua mãe, filha, produtores e amigos da Nação Zumbi. É uma leitura singular sobre Chico, desde o nascimento até a morte. Um fortalecimento ao homem que exportou a cultura pernambucana para o mundo. Que viu vida onde todos viam apenas lama.

Direção geral: Werison Fidelis. Projetistas: Werison Fidelis, Diego Martins e Rodrigo Alves. Assistentes de direção: Alcione Aquino e Pedro Rodrigues. Coreografia: Werison Fidelis, Elid Leal, Geovana Alves e Nathalia Sampaio. Elenco: Alcione Aquino, Doralice Lopes, Barbara Espindola, Eva Deval, Beca Oliveira, João Cavalcante e Denilson Martins. Bailarinos: Adones Vasconcelos, Diego Salgado, Marcelo Mendes, Aldemar Patrick, Junior Nascimento, Cláudio Santana, Washington Silva, Denílson Martins, Moisés Jefferson, Madson Lopes, Everton Queiroz, Henrique Alves, João Cavalcanti, Washington José, Elizeu Fidelis, Mari Vasconcelos, Beca Oliveira, Sol Dayamontway, Andreia Santos, Tuliana Pontes, Mykaela Cavalcanti, Kizia Alves, Mauriceia Lafon, Juliana Ramos, Danielle Torres, Suely Kerolaine, Sabrina Feliciano, Sandra Macarrão, Nyocle Nascimento. Cenografia: Rick Oliveira. Iluminação: Pedro Rodrigues. Sonoplastia: Rodrigo Oliveira. Figurino: Djalma Rabelo e Francisco Lima.

Ebulição
Recife (PE)

Dia 16, terça, às 20h
Duração: 40min
Classificação: Livre
Local: Teatro Hermilo Borba Filho

Um corpo guiado pela vibração se permite agitar, torcer, saltar, tremer e processar toda a turbulência que é o sentir. Um encontro para vibrar junto a partir da investigação das possibilidades de tremer e dos movimentos que surgem neste estado de presença.

Concepção e performance: Valéria Vicente. Direção: Valéria Vicente e Giorrdani Gorki (Kiran). Trilha musical e músico ao vivo: Caio Lima. Figurino: Maria Agrelli. Iluminação: Natalie Revorêdo. Colaboradores: Clara Trigo, Daniela Amoroso, Liana Gesteira, Ferreirinha, João Tragtemberg, Soraia Jorge e Vida Midgelow. Produção: Hudson Walmir.

O Diário das Frutas
Cais Cia. de Dança (Recife/PE)

Dia 17, quarta, às 20h
Duração: 50min
Classificação: 16 anos
Local: Teatro Luiz Mendonça

Baseado no catálogo da exposição homônima, da pintora Tereza Costa Rêgo, com crônicas do jornalista Bruno Albertim. Com protagonismo feminino, a montagem defende a ideia de que é preciso nos antecipar ao que desejamos ser para que sejamos. E de que o destino – com suas possibilidades de acertos, desacertos, vida e morte – é uma construção individual que está sendo feita neste momento. Os bailarinos compõem a cena em movimentos, formas, expressões e coreografias que aprisionam e libertam, em um permanente jogo entre o correto e o bom, até a síntese da inércia e movimento, queda e elevação, silêncio e êxtase.

Direção e coreografia: Dielson Pessoa. Luz: Jathyles Miranda. Figurino: Madson de Paula. Bailarinos: Isabela Loepert, Beatriz Gondra, Julia Franca, Monique Vilella, Michele Mourão, Madson de Paula, Deivison Albuquerque, Naldo Lopes, Cllau Soares e Dielson Pessoa. Produção: João Victor Carvalho.

Transiterrifluxório
Cláudio Lacerda – Dança Amorfa (Recife/PE)

Dia 18, quinta, às 19h30
Duração: 40min
Classificação: Livre
Local: Teatro Apolo

A montagem é um desdobramento da pesquisa em dança Contraespaço, estimulada pela arquitetura da iraquiana-britânica Zaha Hadid. Expõe a materialidade e a sinestesia produzidas pela imaginação espacial, corporal e de movimento cultivadas a partir da curiosidade pela arquitetura de Hadid, trazendo olhares internos, sensibilidade alterada das superfícies, modos de fricção entre os corpos, propostas de habitação nos espaços em cena (reais e imaginados/ários), além de possibilidades de relações: de afetar e ser afetado, de desestabilizar e de apoiar, de se deixar levar e de manter os pés bem plantados no chão.

Concepção, direção e coreografia: Cláudio Lacerda. Colaboração criativa: Cláudio Lacerda, Jefferson Figueirêdo, Juliana Siqueira, Orunmillá Santana e Stefany Ribeiro. Bailarinos: Cláudio Lacerda, Jefferson Figueirêdo e Orunmillá Santana. Figurinos: o grupo. Fotografia: Eric Gomes. Concepção de trilha sonora e de edição de vídeo: Cláudio Lacerda. Produção executiva: Clarisse Fraga/Bureau de Cultura.

O Nação Canta e Dança Pernambuco
Maracatu Nação Pernambuco (Olinda/PE)

Dia 19, sexta, às 20h
Duração: 1h
Classificação: Livre
Local: Teatro de Santa Isabel

Espetáculo de cultura popular apresenta, através de música e dança, a diversidade da cultura nordestina, com destaque para Pernambuco. Tendo como base de percussão os toques de maracatu, 17 músicos e 13 bailarinos mostram ao público o maracatu de baque virado, maracatu de baque solto, coco, ciranda, frevo, caboclinhos, cavalo-marinho, afoxé e samba de roda.

Direção musical: Bernardino José. Coreografia: Amélia Veloso e Dadinha Gomes. Figurino: João Neto.

Kalashnikova – AK 47
Companhia el contrabando (Soletta/Suíça)

Dia 19, sexta, às 19h
Dia 20, sábado, às 17h e 21h
Duração: 1h05
Classificação: 12 anos
Local: Teatro Barreto Júnior

O forte da companhia é a dança flamenca e o ponto de partida do espetáculo é o paralelo acústico entre o fogo totalmente automático e o batimento de pés. As energias de criminosos e vítimas da violência e vulnerabilidade são examinadas numa interação de pontos de contato temáticos e corporais reativos. Independentemente da ideologia que leva a disparar, os tiros esburacam o silêncio de forma brutal, o espaço da alma, o princípio de viver e deixar viver, o sentimento de segurança.

Direção e coreografia: Anet Fröhlicher. Elenco: Jojo Hammer, Elisabeth Keuck, Vera Koeppern, Henna-Elise Selkälä. Trilha sonora: Jimi Hendrix e Robert Schumann. Direção técnica e iluminação: Stephan Haller. Design de palco: Reto Emch.

Caminhos
Recife (PE)

Dia 21, domingo, às 19h
Duração: 42min
Classificação: Livre
Local: Teatro Hermilo Borba Filho

A alegria, a dor, a fantasia e a realidade contidas na brincadeira do cavalo-marinho são apresentadas no espetáculo solo de Fábio Soares. O artista pretende discutir os caminhos e escolhas para buscar a sobrevivência dessa e de outras brincadeiras.

Concepção, direção e atuação: Fábio Soares. Figurino e adereços: Fábio Soares. Iluminação: Luciana Raposo. Sonoplastia: Almir Negreiros. Cenografia: Amauri Honório.

Aluga-se
Grupo Acaso (Recife/PE)

Dia 24, quarta, às 19h
Duração: 45min
Classificação: 16 anos
Local: Teatro Marco Camarotti

O espetáculo surge a partir de reflexões dos intérpretes/criadores relacionadas à dor e delícia de ser artista nos dias atuais em Pernambuco. A obra transita, em geral de forma cômica, por diferentes temáticas: da falta de incentivo até a liberdade criativa. Vem como um manifesto, um grito, para humanizar ainda mais o artista que tanto luta para se manter criador.

Direção: Bárbara Aguiar. Assistente de direção: Fernando Oliveira. Trilha sonora: Thiago Gondim, Juvenil Silva, Juliano Holanda, Itamar Assumpção, Walter Franco, Erik Satie, Rubinho Jacobina e Vinícius Barros. Sonoplastia: Thiago Gondim. Coreografia: Grupo Acaso. Iluminação: Cleison Ramos. Cenário e figurino: Bárbara Aguiar. Bailarinos: Anderson Dimas, Ayrton Tavares, Hulli Cavalcanti, Hayla Cavalcanti, Janaína Gomes. Produção: Bárbara Aguiar.

Zoe
Recife (PE)

Dia 25, quinta, às 19h30
Duração: 50min
Classificação: 16 anos
Local: Teatro Apolo

Segundo o filósofo italiano Giorgio Agamben, a palavra Zoe cunha um dos dois termos utilizados pelos gregos para representar a palavra vida – e está associada a nossa condição animal, nossa simples vida de seres viventes, nossa vida nua. Bios seria o outro termo da dialética, em referência à vida social, cultural e política. A Zoe, só seria admitido um par de opostos: prazer e dor. Em Zoe, os instintos são uma possibilidade de humanização da vida e dos afetos.

Concepção e direção: Francini Barros. Intérpretes/criadores: Adelmo do Vale, Jorge Kildery, Maria Agrelli, Orun Santana, Rafael FX, Victor Lima. Produção: Hudson Wlamir. Iluminação: Eron Villar. Trilha sonora e operação de som: Johann Brehmer. Cenografia e vídeo mapping: André Calado e Petró. Programação visual: Bruno Amorim. Fotografia e vídeo: Breno César.

O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos
Cia Sopro-de-Zéfiro | Cecilia Brennand (Recife/PE)

Dia 26, sexta, às 20h
Duração: 1h20
Classificação: Livre
Local: Teatro Luiz Mendonça

O musical é uma reverência à vida e obra de Heitor Villa-Lobos, o maior compositor brasileiro de todos os tempos. Dança e canto, com interpretação ao vivo, compõem a atmosfera de força do espetáculo, revelando parte importante do trabalho do maestro: alguns compassos de suas Bachianas, choros, prelúdios, cirandas e peças da obra sinfônica A Floresta do Amazonas.

Direção geral: Cecilia Brennand. Concepção, direção de arte, criação de cenário e figurino: Beth Gaudêncio. Direção musical e regência: Rosemary Oliveira. Coreografias e direção de cena: Ana Emília Freire e Carla Machado. Guardiã da natureza: solo de Carla Machado e coreografia de Mônica Japiassú. O apartamento da Place Saint Michel: coreografia de Maria Inêz Lima. Elenco Cia Sopro-de-Zéfiro/Cecilia Brennand: Alicia Cohim, Edvaldo dos Santos, Flávio Henrique, Julyanne Rocha, Leide Dornelas, Lydiane Bergman, Luzii Santos, Madson Erick, Nataly Araújo, Rodolpho Silva, Rodrigo Gomes e Thiago Barbosa. Elenco alunos Aria Social: Alanna Karine, Amanda Gabriela, Amanda França, Ana Caroline Santos, Ananda Neres, Andreynna Fonseca, Beatriz Vital, Bela Menezes, Bella Santos, Cleybson Lima, Dayanne Pereira, Diego Lunari, Erenilton Zacarias, Eric Rodrigues, Ewerton Silva, Fernanda Alves, Gabriel Ramos, Giovanna Santos, Irislaine Roberta, Isabelle Lucena, Isabelly Renata, Jonas Alves, Karoline Alves, Libna Soares, Lucas Cabral, Marlon Lucas, Mayara Duhart, Natália Jonas, Nathaly Araújo, Rafaela Oliveira, Rute Gomes, Sheyla Nascimento, Thay Rodrigues, Victor Marinho e Yngrid Rayane. Direção de interpretação do personagem Villa-Lobos: José Manoel Sobrinho. Intérprete de Villa-Lobos: Edcarlos Rodrigues. Abertura: Adriano Cabral interpretando Villa-Lobos. Vocal: Adriana Nascimento, John Paul, Lua Costa, Lydia Moraes e Wanessa Cavalcanti. Teclado: Rosemary Oliveira, Jardel Souza e Lydia Moraes. Violoncelo e violão: Jardel Souza. Flauta: Adriana Nascimento. Percussão: Charly Jadson, Davidson Oliveira e Manoel Júnior. Sousafone: Willams Dias Ferreira. Plano de luz: Saulo Uchôa. Adaptação e execução de luz: Cleison Ramos. Sonoplastia: Izabel Brito. Produção executiva: Carminha Lins. Equipe de produção: Vânia Oliveira, Ana Célia Miranda e Fernando Gouveia. Assistentes de produção: Carmem Santos, Diana Vieira, Gilza Rodrigues, Izabel Amanda, Kátia Mariano, Lilian Mendes, Moacir do Nascimento, Mônica Souza, Sheyla Alves, Sheyla Oliveira e Valéria Pires. Cenotécnica: Kátia Virgínia. Camareira: Maria Bemvinda. Marketing: Luciana Fonsêca, Kelvyn Pereira e Thaynna Mendes. Captação de recursos: Frederika Cavalcanti. Mobilização de amigos do Aria Social: Ângela Peixoto, M. Celina Menezes e Mônica Tigre. Coordenação pedagógica do Aria Social: Ana Célia Miranda.

Onde Ele Anda é Outro Céu
Qualquer Um Dos 2 Companhia de Dança (Petrolina/PE)

Dia 27, sábado, às 20h
Duração: 40min
Classificação: Livre
Local: Teatro Barreto Júnior

Inspirado no conto O Homem Cadente, do escritor africano Mia Couto, e nas pinturas do pintor surrealista belga René Magritte, o solo propõe a criação de uma obra coreográfica que transita pela literatura, artes visuais e dança, entendendo que o corpo do intérprete transita por diversos territórios. É uma fabulação contemporânea sobre um homem que decide buscar outros céus, outras realidades para si. Um convite à reinvenção do tempo, das leis gravitacionais, um chamado à lúdica e indispensável capacidade humana de travessia, perplexidade, encanto e solidariedade.

Concepção e coreografia: André Vitor Brandão. Direção artística: Jailson Lima. Dramaturgia: Renata Pimentel. Direção de movimento: Renata Camargo. Trilha sonora original: Eugênio Cruz. Designer de luz: Fernando Pereira. Figurino: Orlando Dantas. Cenotécnica: Carlos Tiago e Deborha Harummy. Sonoplastia: Lucylene Lima. Assessoria em rapel: Eugênio Junior.

Mostra paralela e atividades formativas

Uma rica programação que contempla cursos, oficinas para adultos e crianças, seminários, lançamento de livros, leituras dramatizadas, sarau e debates faz parte do Janeiro 2018. Dentro dela, uma grande novidade são as Atividades Formativas, que este ano ganham um núcleo específico para sua concepção. Coordenado por Lúcia Machado, o projeto visa a reciclagem do ator, a apreciação de novos talentos e o incentivo aos grupos locais. Três das mais atuantes companhias de Pernambuco merecem destaque neste Janeiro: Cênicas Cia. de Teatro, Cia. Fiandeiros de Teatro e O Poste Soluções Luminosas. Com agenda intensa que movimenta o Estado ao longo de todo o ano, elas abrem seus equipamentos culturais para leituras e espetáculos, além de comandar oficinas de forma a repassar conhecimento de tantos anos dedicados às artes cênicas. Em homenagem ao centenário de Hermilo Borba Filho, foi criada a janela Cenas Hermilianas, com adaptação para os palcos de dois contos do dramaturgo: “O Peixe” e “O Traidor”. Ainda dentro da Mostra Paralela, o Janeiro ganha espaço no Teatro Paulo Freire, em Paulista, com 12 apresentações em cartaz ao preço de R$ 2 e R$ 1 (meia).

Locais

O Janeiro de Grandes Espetáculos distribuiu sua programação entre os teatros de Santa Isabel, Apolo, Hermilo Borba Filho, Marco Camarotti, Luiz Mendonça, Arraial Ariano Suassuna, Barreto Júnior e Sesc Caruaru. A Mostra Paralela e Atividades Formativas ocupam ainda os espaços Cênicas, Fiandeiros, O Poste e Mamulengo, os teatros Boa Vista e Paulo Freire (Paulista), o Centro Cultural Correios, Torre Malakoff, Fundação Joaquim Nabuco e o Recife Praia Hotel.

Ingressos

Em dezembro, os tíquetes começaram a ser vendidos através do site Compre Ingressos. E a partir de 5 de janeiro de 2018, uma central de vendas será instalada no Teatro de Santa Isabel, onde também será possível comprar bilhetes para todas as atrações da programação oficial. O valor dos ingressos varia de R$ 5 a R$ 60 – na Mostra Paralela, há espetáculos com entrada gratuita; e na oficial, só uma montagem (Egberto Gismonti e João do Pife) tem valor superior: R$ 100 e R$ 50 (meia).

Festival competitivo para os espetáculos de Pernambuco, o Janeiro realiza, dia 30, em festa para convidados na Torre Malakoff, a entrega do Troféu Apacepe de Teatro e Música.

Crédito da foto: Manuel Meira | Cena de Dialogus Ibéricos

Serviço

24º Janeiro de Grandes Espetáculos
Festival Internacional de Artes Cênicas e Música de Pernambuco
De 10 a 28 de janeiro de 2018
Locais: Principais teatros do Recife
Ingressos – Vendas on-line: Compre Ingressos
Informações e programação: http://janeirodegrandesespetaculos.com/2018/

Deixe uma resposta